As soon as you open an account Bet365 will send you a 10 digit Offer Code via email. Receive Your £200 bet365 Welcome Promo Bonus plus £50 Mobile Promo

Ferramentas

 MG 1673

O objetivo é estabelecer novas parcerias em pesquisas ambientais entre a Nanjing Forestry University, a Hubei Province University e a Universidade Estadual de Maringá

Na tarde de hoje (20), o Escritório de Cooperação Internacional (ECI), da Universidade Estadual de Maringá, recebeu a visita de pesquisadores de duas importantes universidades chinesas, a Nanjing Forestry University, representada pelo professor Dong Xie e a Hubei Province University, onde atua o professor Li Zong Qyiang, ambos recebidos pela coordenadora dos acordos internacionais da UEM, Eliane Cristina de Araújo Sbardellati. A reunião aproxima as universidades envolvidas em novos acordos, além dos já existentes.

Por causa de uma pesquisa conjunta entre a UEM e as duas universidades chinesas, sobre impactos aquáticos semelhantes entre o Brasil e a China, até o dia 28 deste mês, os pesquisadores ficarão em contato com os alunos do Programa de Pós-Graduação em Ecologia de Ambientes Aquáticos Continentais (PEA) da UEM. Eles também farão coletas na Base Avançada de Pesquisa da Universidade, em Porto Rico-PR. A parceria é coordenada pelos professores do PEA, Sidnei Magela Thomaz e Roger Paulo Mormul.

Sendo Brasil e China membros do Brics, bloco econômico com representatividade global, as relações econômicas de importação e exportação entre os dois países acabam gerando impactos ambientais. De acordo com o professor Dong Xie, espécies de animais e plantas brasileiras invadem o ambiente aquático chinês, causando desequilíbrio no ecossistema local. Pela via inversa, o mesmo acorre no ecossistema brasileiro. “Entender como é o comportamento destas espécies pode ajudar a encontrar respostas às causas destes impactos”, diz Xie.

Segundo o professor  Sidnei Thomaz, a proposta é fazer experiências com tais espécies e saber como elas se desenvolvem nas duas regiões continentais. “É muito conveniente o Brasil trabalhar com a China, já que os dois países têm problemas ambientais similares”, esclarece Thomaz.