Sidebar

05
Sex, Jun

O Festival Paralímpico de Atletismo entra em sua sexta edição - Foto: Ivan Maldonado

O Complexo Esportivo Sapecadão em Ivaiporã recebe nesta quarta-feira, a partir das 8h30, com mais de 670 crianças, adolescentes e adultos com deficiência, a 6ª edição do Festival Paralímpico de Atletismo da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Vão participar do evento mais de 30 municípios de todo o Estado.

Durante o festival, a Confederação Brasileira de Desportos para Deficientes Intelectuais (CBDI) também realiza a seletiva para a formação e a possível convocação da equipe brasileira de atletismo, que vai representar o Brasil nos XXV Jogos Sul-Americanos Escolares de 2019, no mês de dezembro, em Assunção, no Paraguai.

O festival é voltado para atletas com idades a partir dos 10 anos em competições divididas por idade e classe funcional (deficiência) nas modalidades de corridas de 100, 200, 400, 800, 1,5 mil metros, revezamento 4 x 100 metros e caminhada para o paralisado cerebral.

Nas provas de campo as competições são de arremesso de peso, dardo, pelota (bolinha para síndrome de down) e salto em distância. Desde o ano passado, os autistas também participam na modalidade de corrida de 100 metros.

Conforme o professor Ricardo Carminato, coordenador do Festival Paralímpico, o evento que é organizado pelo curso de Educação Física do campus de Ivaiporã faz parte do Projeto Atividades Físicas Adaptadas do Vale do Ivaí (AFAVI).

“Hoje já somos o maior evento paralímpico do Brasil para pessoas com deficiência e a intenção é continuar fazendo um evento de qualidade como a gente vem fazendo a cada ano. Esperamos um evento muito legal, onde vamos oportunizar um dia de atleta para essas crianças”, afirma Carminato.

Simultaneamente ao festival, a CBDI realiza uma seletiva de atletas que vão representar o Brasil nos XXV Jogos Sul-Americanos Escolares de 2019.  “É um reconhecimento da confederação ao festival organizado pelos alunos da UEM. Aproximadamente 40 crianças de todo o país estarão participando da seletiva”, assinala.

Incentivo - Carminato também se mostra muito feliz com o incentivo que o festival vem recebendo dos atletas da seleção paraolímpica brasileira, que estão representando o país no Parapan, em Lima no Peru. “Nós temos o Edevaldo Silva (atleta de Cruzmaltina) que também está lá, e estamos recebendo muitos vídeos de incentivos e reconhecimento de vários atletas que estão competindo no Parapan”.

O Festival Paralímpico é organizado pela UEM e conta com o apoio da Prefeitura de Ivaiporã, através do Departamento Municipal de Educação, Sesc, Secretaria Estadual de Esportes e Turismo e Núcleo Regional de Educação. 

https://tnonline.uol.com.br/noticias/ivaipora/79,479843,27,08,ivaipora-recebe-o-festival-paralimpico-nesta-quarta-feira

Foto: Divulgação

Alunas do Cursinho Municipal de Arapongas foram aprovadas no vestibular da Universidade Estadual de Maringá (UEM), são elas: Gabriele de Toledo Orosco , aprovada no curso de História, Gabriella Eloise Champini, em  Matemática e Heloisa Vicentini , no curso de  Administração.

Neste ano, o Cursinho Municipal de Arapongas oferta 50 vagas, com aulas de segunda a quinta-feira, das 13h30 às 16h45, no Pólo do Instituto Federal do Paraná – sede Arapongas (Rua Suruçuá-Açu, 321, Vila Araponguinha). 

Implementado em 2017, o Cursinho Municipal conta com o apoio da Secretaria Municipal de Educação, Pólo IFPR-Arapongas, além do grupo de professores voluntários. Sua história conta com a aprovação de mais de 150 alunos em Universidades Públicas e privadas.

https://tnonline.uol.com.br/noticias/arapongas/46,479647,21,08,alunas-do-cursinho-municipal-de-arapongas-sao-aprovadas-no-vestibular-da-uem

 

Um projeto desenvolvido pela Universidade Estadual do Paraná (Unespar) e Universidade Estadual de Maringá (UEM), está estimulando o desenvolvimento da Cooperativa dos Cafeicultores de Pirapó (COOCAPI), em Apucarana. Nesta semana, um grupo de cafeicultores do Distrito do Pirapó, participou de uma atividade prática sobre cafés promovida pelo projeto Agricultura familiar e agrossistemas sustentáveis: ações para fortalecimento da cafeicultura do Paraná, coordenado pela professora Sandra Schiavi, da UEM. A atividade foi realizada em uma cafeteria, no centro de Apucarana. 

Nos últimos dois meses, um grupo de pesquisadores do Programa de Pós-Graduação em Administração (PPA/UEM), coordenado pelo professor Marcio Cassandre (UEM), tendo como mediadores o mestrando João Victor Leite, e a doutoranda e docente do campus de Apucarana da Unespar, Carine M. Senger, tem realizado encontros semanais para refletir sobre qualidade na produção de café.

"Esta atividade na cafeteria oportunizou aos cafeicultores experiências sensoriais com o café. Além de degustar o próprio café que produzem, os cafeicultores puderam conhecer diferentes utensílios para extração e aprender sobre a importância da moagem, nível da torra, e temperatura da água para a preparação de um café de qualidade", conta Carine. 

O barista Eduardo Romagnoli foi responsável por explicar os aspectos e proporcionar aos cafeicultores a degustação do café. Este projeto de extensão é financiado pelo Programa Universidade Sem Fronteiras (USF), da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (SETI), e tem a parceira da Capricórnio Coffees, dos Grupos de Pesquisa GECOR e MEDIATA, e da Unespar Apucarana. 

Em outro momento, os cafeicultores já realizaram provas de diferentes tipos de café, incluindo café verde e café com seiscentos defeitos. Na ocasião a atividade foi promovida por José Antônio Rezende, da Capricórnio Coffees, cuja parceria já viabilizou o acesso ao mercado externo, levando os cafés especiais destes produtores a mercados como Itália, Coreia do sul e Austrália. 

https://tnonline.uol.com.br/noticias/apucarana/45,478343,04,07,projeto-estimula-desenvolvimento-da-cooperativa-dos-cafeicultores-do-pirapo

 

A Secretaria de Estado da Administração e da Previdência, por meio da Escola de Gestão do Paraná, e a Superintendência de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti), ofertam 30 vagas para o Mestrado Profissional do Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Políticas Públicas.

Promovido pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), esta será a quinta turma do curso voltado a servidores públicos efetivos, com formação de nível superior em qualquer área do conhecimento.

De acordo com a professora Carla Almeida, coordenadora do curso, mestre em Ciências Políticas e doutora em Ciências Sociais, o mestrado tem duração de dois anos e o objetivo do curso é incentivar que os alunos participantes desenvolvam pesquisas em suas áreas de atuação que possam ser revertidas em ações que aprimorem o serviço público.

“Ao longo destes anos, já formamos cerca de 120 servidores. Neste período, o Mestrado Profissional foi amadurecendo e hoje conseguimos ter uma boa clareza para orientar os estudantes a fazerem diagnósticos seguidos de uma proposta de aplicabilidade”, explica a coordenadora.

No entanto, Carla ressalta que muito além do produto final, o Mestrado Profissional permite que os alunos participantes levem para seus ambientes de trabalho a expertise que obtiveram durante o programa, melhorando como um todo o ambiente onde estão inseridos.

É o caso do médico cardiologista do Hospital do Trabalhador, José Mauro Regula Esposito. Servidor do Estado desde 2008, ele avalia que o curso trouxe diversos ganhos. “Voltei a lecionar, melhorei o protocolo de atendimento dos pacientes e consegui implantar mudanças importantes no hospital, que diminuíram o tempo de permanência de pacientes internados, possibilitando o atendimento de mais pessoas. Tive um ganho pessoal gigantesco”, afirma.

Esposito desenvolveu uma pesquisa para criar um protocolo padrão de atendimento para pacientes com trauma ortopédico eletivo, aqueles que sofreram traumas menos graves mas com necessidade de intervenção cirúrgica. “A pesquisa visava criar um protocolo que estabelecesse um padrão de atendimento a este tipo de paciente. Na prática, conseguimos aplicar, havendo melhora significativa no atendimento e na redução do tempo de permanência de pacientes. Mas na parte clínica, o projeto não se aplicou bem da forma estudada, porque a decisão médica é muito subjetiva e dá a posição final sobre o atendimento do paciente”, explica.

O policial civil Alexandre Minoru Kikuchi atua no Estado há 19 anos. Antes, trabalhou como agente penitenciário. E toda esta bagagem profissional fez com que ele, ao ingressar no mestrado da UEM, optasse por desenvolver uma proposta de implantação de política pública de pacificação social por meio da Justiça Restaurativa em Marialva.

“Parti do princípio de usar a essência da comunicação não violenta dentro do meio policial. Ainda não conseguimos implantar este protocolo, porque requer uma mudança de padrões bem grande. Mas já foi possível verificar mudanças significativas no nosso ambiente de trabalho, porque consigo passar de forma mais clara e embasada aos colegas a importância de se promover um tratamento mais humanitário a este público”, diz Kikuchi.

De acordo com Thalita Melo, diretora da Escola de Gestão, o curso visa primorar os conhecimentos dos servidores. “O Mestrado que ofertamos, em parceria com a Seti, é uma valorização e um aprimoramento do conhecimento, sendo uma ferramenta muito importante para o desenvolvimento da carreira do servidor”.

INSCRIÇÕES - As inscrições para o Mestrado vão de 29 de julho a 23 de agosto. Ao todo, são ofertadas quatro linhas de pesquisa: processos participativos em politicas públicas; políticas públicas e desenvolvimento; políticas de saúde e educação e justiça, segurança pública e cidadania.

É destinado aos servidores públicos efetivos, com formação de nível superior em qualquer área do conhecimento, prioritariamente aos ocupantes de cargo de nível superior das carreiras do Poder Executivo do Estado ou militares dos Quadros da Polícia Militar que atuem na gestão, elaboração ou implantação de políticas públicas.

A seleção ocorrerá entre 02 de setembro e 22 de outubro. O início das aulas está marcado para 08 de novembro, em Maringá.

https://tnonline.uol.com.br/noticias/cotidiano/67,478112,26,06,estado-abre-novas-vagas-para-mestrado-voltado-a-servidores

Descoberta comprova que dinossauros habitaram a região Noroeste do Paraná (Foto: Universidade do Contestado)

Uma nova espécie de dinossauro foi descoberta no sítio paleontológico de Cruzeiro do Oeste. A novidade foi anunciada na manhã desta segunda-feira (24) pelo Museu Paleontológico de Cruzeiro do Oeste em Parceria com a Universidade Estadual de Maringá (UEM) e a Universidade de São Paulo – USP.

A descoberta, inédita no mundo, comprova que dinossauros habitaram a região Noroeste do Paraná, fato até então ignorado.

Todos os detalhes da nova descoberta serão apresentados em uma coletiva de imprensa, na próxima quarta-feira (26), no Auditório Nadir Cancian, anexo à UEM, em Maringá.

 O evento vai reunir a comunidade cientifica mundial, com a participação de cientistas, paleontólogos e estudiosos do assunto de várias universidades, além da imprensa internacional. Serão apresentadas as primeiras imagens do novo dinossauro e todas as informações da pesquisa, que culminou no achado, que é de grande interesse para a ciência.

“Só podemos adiantar que o dinossauro de Cruzeiro do Oeste é único no mundo e que sua descoberta acrescenta muito sobre vida na pré-história do nosso planeta”, disse a historiadora e diretora do Museu Paleontológico de Cruzeiro do Oeste, Neurides Martins.

Pesquisadora Neurides Martins destaca que descoberta pode significar importantes avanços na Paleontologia mundial (Foto: Divulgação)
https://tnonline.uol.com.br/noticias/regiao/32,478084,25,06,dinossauro-inedito-no-mundo-e-descoberto-no-parana

Mais Artigos...

Página 2 de 4