Sidebar

19
Sex, Abr

A Prefeitura de Maringá fechou em dezembro mais cinco contratos com a Universidade Estadual de Maringá (UEM), a Unicesumar e a Uningá para atualizar o Plano de Manejo do Parque do Ingá. O objetivo é que o trabalho seja concluído no final de 2019.

Por R$ 2,85 mil, equipes do Centro de Ciências Biológicas da UEM vão fazer os estudos da herpetofauna, que reúne os anfíbios e répteis.

Em outro contrato de R$ 38,1 mil, profissionais do Centro de Ciências Exatas e do Departamento de Ciências da UEM vão realizar a atualização da mastofauna, que é o conjunto de mamíferos que vivem na reserva.

E dentro de um terceiro contrato com a UEM, no valor de R$ 38 mil, profissionais do Departamento de Geografia vão realizar a atualização necessária no que se refere ao meio físico do Parque do Ingá.

Com o Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da Unicesumar foi fechado um contrato de R$ 7,3 mil para a atualização dos estudos sobre a avifauna do parque, que reúne as aves que vivem na área.

A Uningá vai ser contratada por R$ 99,2 mil para analisar os aspectos socioambientais e também para elaborar o relatório final do Plano de Manejo do Parque do Ingá, com a integração das informações sobre a vegetação terrestre, limnológicas, da mastofauna, avifauna e herpetofauna, além dos aspectos físicos e socioambientais.

O trabalho de atualização do Plano de Manejo do Parque do Ingá foi iniciado no final do mês de maio de 2018, quando equipes do Núcleo de Pesquisas em Limnologia, Ictiologia e Aquicultura o Nupélia, da UEM, iniciaram as coletas de água, algas, sedimentos e peixes no lago do parque.

A última atualização do Plano de Manejo do Parque do Ingá foi realizada entre 2008 e 2009. Na ocasião, houve algumas definições importantes como a decisão de acabar com o minizoológico da reserva e transferir todos os animais que eram mantidos em cativeiro. O primeiro Plano de Manejo do Parque do Ingá foi feito em 1994.

Inaugurado em outubro de 1971 e declarado como Área de Proteção Permanente, em 1991, o Parque do Ingá possui 474,3 mil m² de mata remanescente da Mata Atlântica.

Em janeiro de 2017, a área foi definida como uma Unidade de Conservação na categoria de Área de Relevante Interesse Ecológico, depois da sanção pelo prefeito Ulisses Maia da lei 10.353 de autoria do ex-vereador Humberto Henrique.

https://maringapost.com.br/cidade/2019/01/04/prefeitura-fecha-cinco-contratos-com-uem-unicesumar-e-uninga-para-atualizar-plano-de-manejo-do-parque-do-inga/

O expediente administrativo da Universidade Estadual de Maringá (UEM) vai ser suspenso entre segunda-feira (24/12) e quarta-feira 9 janeiro de 2019. Neste período, apenas os serviços essenciais vão ser mantidos.

No Ambulatório Médico e de Enfermagem da UEM as consultas vão ser retomadas no dia 10 de janeiro, no horário de 7h40 às 22 horas.

Já o setor de residência psiquiátrica retoma as atividades somente no dia 28 de janeiro em razão das férias acadêmicas. O coordenador do ambulatório, Sérgio Ricardo Silva, informa que os pacientes que necessitarem de medicação antes do dia 28 devem entrar em contato por telefone. O contato é (44) 3011-4266.

O Laboratório de Ensino e Pesquisa em Análises Clínicas (Lepac) realizou as últimas coletas do ano no dia 19 de dezembro. O Lepac retoma o atendimento normal no dia 10 de janeiro. O telefone para contato é (44) 3011-4317.

A Farmácia Ensino encerrou o atendimento ao público no dia 5 de dezembro e voltará a atendimento no dia 25 de janeiro de 2019. O atendimento ao público é feito das 8h às 11h35 e das 13h30 às 17 horas. Outras informações pelo telefone (44) 3011-4300.

O Restaurante Universitário (RU) encerrou as atividades no dia 14 de dezembro. O retorno das refeições será divulgado no próximo ano e seguirá o calendário acadêmico de 2019. Para mais informações ligue (44) 3011-4302.

A Biblioteca Central volta a funcionar em janeiro. Entre os dias 10 e 31 de janeiro, o atendimento será de 7h30 as 19 horas. Aos sábados (12, 19 e 26) o horário de atendimento será de 8h as 13h30. O telefone para mais informações é (44) 3011-4480.

O Núcleo de Prática Jurídica da UEM encerrou os atendimentos no dia 20 de dezembro e vai ficar em recesso administrativo até 9 de janeiro. Os telefones para mais informações são: (44) 3011-4335 e 3011-4326.

Horários dos portões no recesso administrativo na UEM

Os portões de acesso ao câmpus sede da Universidade, tanto para veículos quanto para pedestres, terão um esquema especial de funcionamento a partir do 26 de dezembro, no recesso administrativo na UEM.

Os portões 9 (rua 10 de maio), 2 (BCE, rua Lauro Werneck), 7 (rua Júlio Favoreto, Nupélia) e 8 (rua Gilberto Freire, Vila Esperança) funcionarão das 6 às 18 horas para o acesso de pedestres.

O portão 9 (rua 10 de maio) irá funcionar das 6 às 20 horas, entrada e saída, para o fluxo de veículos. Será necessária a identificação.

A supervisão do fluxo de pedestres e veículos é feita pela Prefeitura do Câmpus. No dia 24 de dezembro, todos os portões estarão abertos das 6 às 18 horas. No Natal, todos os portões serão fechados.

https://maringapost.com.br/sala3/2018/12/21/tem-recesso-administrativo-na-uem-ate-9-de-janeiro-de-2019/

Reitor da UEM, Júlio Damasceno, informou as medidas na manhã desta sexta-feira em coletiva de imprensa (Imagem/UEM)

Contratar novos profissionais e readequar o fluxo de pacientes que buscam atendimento no Hospital Universitário (HU) de Maringá. Essa é a saída anunciada na manhã desta sexta-feira (21/12) pelo reitor da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Júlio Damasceno, para resolver os problemas apontados pelo Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRM-PR) no Serviço de Urgência e Emergência da unidade.

Na quinta-feira (20/12), os conselheiros do CRM apresentaram ao reitor e aos diretores do hospital o ato de indicativo de interdição ética da área de Urgência e Emergência. O Conselho constatou a falta de médicos, enfermeiros, material hospitalar, estrutura e deu prazo de 120 dias para que as irregularidades sejam resolvidas.

Se nada for feito, os médicos da unidade serão impedidos de trabalhar e quem desrespeitar a interdição pode responder a um processo ético profissional. O CRM foi informado sobre os problemas da unidade por um grupo de médicos que enviou uma carta ao órgão, em novembro de 2018. As vistorias no pronto socorro ocorreram entre 3 e 5 de dezembro.

Nesta sexta-feira (21/12), o reitor Júlio Damasceno reuniu a imprensa e apresentou relatório que aponta déficit de 139 servidores em 20 cargos do hospital que estão vagos desde 2014. De acordo com o levantamento, o que mais falta na unidade são médicos, ao todo 38, seguido pela função de técnico de enfermagem, com déficit de 33 funcionários.

Para resolver o problema de pessoal, Júlio Damasceno anunciou que pretende intensificar o diálogo com o Governo do Estado para que os 10 profissionais aprovados no concurso de 2014 sejam nomeados. A expectativa é tentar, junto com o governador eleito, Ratinho Júnior (PSD), a permissão para realizar um novo concurso.

“Nós não temos contratação para reposição de profissionais falecidos, exonerados ou aposentados e isso tem causado redução no nosso quadro de profissionais, o que causa vulnerabilidade técnica e ética. Isso induz a erros e atendimento de menor qualidade”, disse Damasceno. Segundo ele, a UEM recebe 60 pedidos de aposentadoria por mês.

Com a falta de profissionais, o hospital tem dificuldades para fechar a escala de plantão. Em novembro deste ano, o déficit de funcionários deixou a Urgência e Emergência da unidade sem cirurgião em um fim de semana. Vítimas de acidente de trânsito ficaram dentro de ambulâncias por duas horas aguardando atendimento. O superintendente do HU, que é urologista, precisou assumir o socorro.

Uma medida adotada pela UEM para suprir a demanda de pessoal é a contratação de profissionais por credenciamento. Porém, Damasceno reconhece que esse modelo de contratação não atende, totalmente, a necessidade do hospital.

Ele explicou que os credenciados trabalham em regime diferente dos outros profissionais e podem escolher, por exemplo, as horas semanais que vão prestar o serviço.

Atualmente, o HU tem 236 credenciados como médicos, fisioterapeutas, entre outros profissionais. O gasto com esse funcionários gira em torno de R$ 1 milhão e o pagamento, de acordo com o reitor, é feito com recursos da própria instituição que deveriam ser utilizados para a compra de medicamentos e manutenção de equipamentos.

Déficit de profissionais no Hospital Universitário

Agente de Segurança – 5 profissionais

Auxiliar Administrativo – 2 profissionais

Auxiliar de Laboratório – 3 profissionais

Auxiliar Operacional – 20 profissionais

Telefonista – 1 profissional

Cozinheiro – 3 profissionais

Motorista – 2 profissionais

Técnico Administrativo – 10 profissionais

Técnico em Enfermagem – 33 profissionais

Técnico em radiologia – 1 profissional

Administrador – 2 profissionais

Assistente social – 1 profissional

Bibliotecário – 1 profissional

Bioquímico – 2 profissionais

Enfermeiro – 9  profissionais

Farmacêutico – 1 profissional

Médico – 38 profissionais

Nutricionista – 1 profissional

Pedagogo – 1 profissional

Psicólogo – 3 profissionais

Total: 139 profissionais

Serviço de UBS e UPA no Hospital Universitário

Outra medida anunciada pelo reitor é intensificar as reuniões de um grupo de trabalho, que envolve a diretoria do Hospital Universitário, a 15ª Regional de Saúde e a Secretaria Municipal de Saúde. O objetivo é realocar o fluxo de pacientes para outras unidades e manter no HU apenas casos de média e alta complexidade.

Segundo o superintendente do HU, Vicente Massaji Kira, o pronto socorro realiza cerca de 5 mil atendimentos por mês. Desse total, segundo ele, 70% são casos que poderiam ser atendidos em outras unidades de saúde do município.

“O Conselho Regional de Medicina identificou que nós estamos desempenhando três papéis, de UBS, UPA e de Pronto Socorro, mas nossa vocação é pronto socorro, para casos mais complexos”, ressaltou.

O reitor da UEM, Júlio Damasceno, disse que o grupo “ainda não tem a fórmula” de como esse redirecionamento de pacientes poderia ocorrer na prática. Para isso, será necessário fazer um mapeamento de toda a rede de saúde do município. Mas ele frisou que “em momento algum o hospital vai deixar de prestar o serviço”.

Apesar das medidas anunciadas, o hospital precisa correr contra o tempo para conseguir resolver todos os problemas apontados pelo CRM. De um lado, o reitor da UEM disse acreditar que a interdição não irá ocorrer. “Vamos trabalhar para que a gente garanta condições de trabalho dignas a esses profissionais”.

Para o superintendente do HU, Vicente Kira, “é quase impossível” resolver os problemas apontados pelo Conselho dentro do prazo. “120 dias não vão resolver, mas podemos dar andamento ao nosso trabalho”. Porém, o superintendente alerta que se o Governo não tomar nenhuma providência, a interdição pode ocorrer.

https://maringapost.com.br/cidade/2018/12/21/contratacao-de-profissionais-e-realocacao-de-pacientes-sao-unicas-saidas-para-evitar-que-crm-impeca-trabalho-de-medicos-no-hospital-universitario/

Cerca de 1.400 estudantes de 21 estados participam até terça-feira (11/12) do Vestibular de Verão 2018 da Universidade Estadual de Maringá (UEM). A maioria, 1.027, vem de São Paulo. Do Mato Grosso do Sul são mais 178, do Mato Grosso, 80, de Santa Catarina são 50 vestibulandos e de Minas Gerais, 32. No total, são 12.772 inscritos na disputa, e 11.281 candidatos são do Paraná. As mulheres são maioria. Elas representam 57% dos inscritos, contra 43% de homens. Pelo sistema de cotas sociais da UEM são 2.097 vestibulandos. Para o curso de Medicina, o mais concorrido, há 159,2 candidatos na briga por cada uma das vagas. Em segundo aparece Arquitetura e Urbanismo, com 29,7 candidatos por vaga e Psicologia, com 29,2. As provas começam as 9 horas deste domingo (9/12), mas os vestibulandos precisam estar dentro da sala até as 8h50. Para fazer a prova, o estudante tem que apresentar documento de identificação com foto. Só vale o original e não é aceita nenhuma versão eletrônica. A primeira prova é de Conhecimentos Gerais, com 40 questões objetivas de Arte, Biologia, Filosofia, Física, Geografia, História, Matemática, Química e Sociologia. Na segunda (10/12) tem prova de Língua Portuguesa e Literaturas em Língua Portuguesa, Língua Estrangeira, além da temida Redação. A última prova, na terça-feira (11/12), é de Conhecimentos Específicos, com 40 questões de matérias definidas pelos conselhos acadêmicos de cada curso de graduação. O gabarito provisório das provas objetivas vai ser divulgado na quinta-feira (13/12), mas o resultado oficial da disputa sai apenas no dia 30 de janeiro de 2019.

Lei Seca do Vestibular de Verão 2018 vai até terça

A Polícia Militar e os órgãos de fiscalização da Prefeitura de Maringá vão fiscalizar até as 23h59 de terça-feira (11/12) a venda e o consumo de bebidas alcoólicas nos arredores do campus da UEM. A lei municipal vigente garante a validade da Lei Seca no quadrilátero formado pelas avenidas Colombo, Morangueira e pelas ruas Vitória, Alencar de Oliveira Paiva e Quintino Bocaiúva. A multa aos comerciantes que venderem bebidas alcoólicas é de R$ 5 mil e para os ambulantes, R$ 500. Pessoas que forem flagradas consumindo bebidas alcoólicas terão o produto apreendido e descartado.

https://maringapost.com.br/cidade/2018/12/08/vestibular-de-verao-2018-da-uem-tem-12-772-candidatos-na-disputa-1-027-vem-do-estado-de-sao-paulo-mulheres-sao-maioria/

O Colégio da Polícia Militar de Maringá, que começa a funcionar em 2019 nas instalações do Colégio Estadual João XXIII, vai passar por reformas com investimentos que podem chegar a R$ 3,5 milhões. São previstas pinturas das paredes, troca e revitalização de pisos e banheiros, reforma dos pátios, laboratórios e auditório, troca de janelas, e será feita a adequação dos espaços para acessibilidade de pessoas portadoras de deficiência. O dinheiro, a ser empregado pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Educacional (Fundepar), foi anunciado na tarde de sexta-feira (30/11), em Maringá, pela governadora Cida Borghetti. No começo de novembro, Cida assinou o decreto de criação do Colégio da Polícia Militar de Maringá. Na tarde desta sexta-feira (30) a Governadora do Estado do Paraná, Excelentíssima Senhora Cida Borghetti autorizou uma verba para reforma das futuras instalações do 4° Colégio da Polícia Militar do Paraná, pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Educacional (FUNDEPAR). A governadora também anunciou a liberação de aproximadamente R$ 60 milhões para a Universidade Estadual de Maringá (UEM). Serão R$ 50 milhões para a conclusão de obras paradas, além de R$ 7 milhões em verbas de custeio para a universidade (R$ 4 milhões) e Hospital Universitário (R$ 3 milhões). Em coletiva, há poucas semanas, o reitor da UEM, Júlio Damasceno afirmou que o hospital tem uma carência de 36 médicos, entre outros profissionais. As declarações foram dadas após três pacientes serem barrados na porta do hospital, após serem levados ao local por ambulâncias do Corpo de Bombeiros e Samu. Com os recursos para o hospital, serão finalizadas cinco salas cirúrgicas e de recuperação anestésica e uma central de materiais e esterilização no Centro Cirúrgico do Hospital Universitário (HU) da instituição de ensino. O local tem 3,1 mil metros quadrados. Além disso, o bloco industrial do HU, com refeitório, cozinha, lavanderia, almoxarifado e farmácia também será concluído. Segundo o reitor da UEM, Júlio Damasceno, a conclusão das obras permitirá colocar os serviços prestados na estrutura à disposição da comunidade. Outros R$ 2,5 milhões serão aplicados no acabamento de obras na nova ala do Hospital Universitário, que tem 100 leitos, e na clínica odontológica. No campus de Maringá, os recursos serão usados para a conclusão de um bloco no Centro de Ciências Sociais Aplicadas (B12) para alunos do curso de ciências contábeis, um no Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (l24) para estudantes de história e ciências sociais, outro no Centro de Ciências Biológicas (l46) para os cursos de biologia e biomedicina, e no Centro de Tecnologia (C90), onde funcionam os cursos de engenharia de produção, engenharia elétrica, engenharia de alimentos e engenharia mecânica. Parte dos recursos também vai ser aplicado na finalização de um teatro com capacidade para 1000 lugares e um centro de eventos para 600 pessoas – que funcionarão em uma área de 4,6 mil metros quadrados – e novos blocos para os cursos de psicologia, diretoria de material e patrimônio. Obras de acessibilidade na instituição, a exemplo de banheiros e rampas, e a reforma do laboratório de análises clínicas também estão previstas. Ainda não foram divulgadas informações sobre o prazo para a liberação dos recursos para a UEM e nem sobre a abertura das licitações para a retomada das obras.

https://maringapost.com.br/cidade/2018/12/02/colegio-da-policia-militar-de-maringa-tem-r-35-milhoes-liberados-para-reformas-na-uem-promessa-e-que-obras-paradas-voltem-a-andar/

Mais Artigos...