Sidebar

24
Sáb, Ago

Maringá Post
Tools
Nádia Dias, aluna do segundo ano de Física da Universidade Estadual de Maringá (UEM), foi uma das 500 pessoas selecionadas para participar do TrepCamp, no Vale do Silício / Arquivo Pessoal

Nádia Dias, 18, aluna de Física da Universidade Estadual de Maringá (UEM), foi uma das 500 pessoas selecionadas para participar de um programa de empreendedorismo e inovação chamado TrepCamp, no Vale do Silício, na Califórnia, Estados Unidos.

A seleção entre mais de 30 mil candidatos foi uma conquista, mas sem recursos para ir em busca de conhecimento e qualificação, ela corre o risco de perder a viagem. A família não tem condições de arcar com as despesas. 

A alternativa criada pela empreendedora Nádia Dias foi criar uma uma vaquinha online e sair em busca de ajuda para realizar o sonho. A experiência oferecida no Vale do Silício, sede de muitas das principais empresas de alta tecnologia do mundo, é de três semanas de imersão em empreendedorismo e inovação.

Natural de Santo Anastácio, interior de São Paulo, Nádia Dias mora em Sarandi desde 2011. Desde o primeiro ano do Ensino Médio, a jovem estuda para ganhar uma bolsa em programas internacionais. Segundo ela, o grande desafio era conciliar o sonho com as atividades escolares e o estudo para o vestibular e o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Para isso, a jovem ia dormir às 2h e acordava às 5h30, todos os dias.

Aos 15 anos, Nádia Dias fez a primeira tentativa: se candidatou para participar de um curso de empreendedorismo social e desenvolvimento sustentável da Universidade Yale, que duraria cerca de duas semanas. A família gastou R$ 200 com a inscrição, mas a jovem não foi selecionada.

Mesmo desapontada, ela não desistiu de tentar outros programas internacionais. A estudante conta que guardou a carta de recusa da Universidade Yale na gaveta, e usou como incentivo para estudar ainda mais.

Nádia Dias fez o Ensino Médio nos colégios Jardim Universitário e Helena Kolody, em Sarandi. Apaixonada por Química e Física, escolheu Física e foi aprovada nos vestibulares da UEM e da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT).

Optou pela UEM para ficar perto da família e economizar com os custos de moradia. Em abril de 2019, soube que as inscrições para o TrepCamp estavam abertas, resolveu tentar.

“Na minha cabeça, não seria selecionada para o TrepCamp, mas pensei: o ‘não’ eu já tenho, vou tentar. Respondi o questionário online e no dia 1º de junho, recebi um e-mail, que já começava me parabenizando e dizia que tinha sido selecionada. Mandei mensagem para uma amiga de Brasília, que também foi selecionada, para perguntar se era verdade mesmo. Até hoje não caiu a ficha”, conta.

No dia 1º de junho, Nádia Dias soube que foi uma das 500 pessoas selecionadas para participar do TrepCamp, no Vale do Silício / Arquivo Pessoal

Nádia conta que a família não tem condições financeiras para arcar com os gastos da viagem. A mãe, Solange dos Santos Dias Mendes, trabalha como zeladora em uma instituição de ensino superior de Maringá, e o padrasto, Valdemir Ribeiro Mendes, é metalúrgico. A estudante tem duas irmãs, uma de nove e outra de 13 anos.

Como a bolsa obtida cobre apenas 20% das despesas da viagem, Nádia vai precisar arcar com cerca de R$ 25 mil. O valor inclui a taxa de matrícula, passagens de avião e táxi, hospedagem e alimentação. A vaquinha online é a única alternativa para a aluna de Física da UEM conquistar o objetivo.

E não está nada fácil. Até o momento, a jovem arrecadou R$ 150, o que corresponde a apenas 0,6% do valor total. Para conseguir viajar para os Estados Unidos, a estudante precisa conseguir o dinheiro até o dia 30 de junho. O TrepCamp inicia no dia 22 de julho.

“Jamais imaginei que eu, neta de ativistas do Movimento Sem Terra (MST), teria a oportunidade de estudar durante três semanas no Vale do Silício, o maior polo tecnológico do mundo. Cheguei até aqui com o apoio da minha família, e porque sempre me dediquei muito. O TrepCamp vai agregar muito ao meu currículo, além da experiência que vou adquirir lá”, conta Nádia Dias.

Quando terminar a graduação, Nádia Dias pretende fazer mestrado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), no Grupo de Biofotônica, ou em alguma universidade do Canadá. Seu maior sonho é viver de pesquisa. “Quero trabalhar como pesquisadora de biofotônica, que é o estudo da radiação do tecido biológico para tratamento de doenças. Também tenho vontade de dar aulas”, conta a jovem.

Acesse aqui o link para ajudar a estudante com qualquer valor. Quem quiser conhecer melhor a história da aluna de Física Nádia Silva, é só entrar em contato com ela por e-mail: nadiaisabeli47@gmail.com ou por telefone/WhatsApp no (44) 999757557.

https://maringapost.com.br/cidade/2019/06/06/aluna-de-fisica-da-uem-e-selecionada-para-participar-de-programa-no-vale-do-silicio-ela-precisa-de-ajuda-para-ir/

Nádia Dias, aluna do segundo ano de Física da Universidade Estadual de Maringá (UEM), foi uma das 500 pessoas selecionadas para participar do TrepCamp, no Vale do Silício / Arquivo Pessoal

Nádia Dias, 18, aluna de Física da Universidade Estadual de Maringá (UEM), foi uma das 500 pessoas selecionadas para participar de um programa de empreendedorismo e inovação chamado TrepCamp, no Vale do Silício, na Califórnia, Estados Unidos.

A seleção entre mais de 30 mil candidatos foi uma conquista, mas sem recursos para ir em busca de conhecimento e qualificação, ela corre o risco de perder a viagem. A família não tem condições de arcar com as despesas. 

A alternativa criada pela empreendedora Nádia Dias foi criar uma uma vaquinha online e sair em busca de ajuda para realizar o sonho. A experiência oferecida no Vale do Silício, sede de muitas das principais empresas de alta tecnologia do mundo, é de três semanas de imersão em empreendedorismo e inovação.

Natural de Santo Anastácio, interior de São Paulo, Nádia Dias mora em Sarandi desde 2011. Desde o primeiro ano do Ensino Médio, a jovem estuda para ganhar uma bolsa em programas internacionais. Segundo ela, o grande desafio era conciliar o sonho com as atividades escolares e o estudo para o vestibular e o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Para isso, a jovem ia dormir às 2h e acordava às 5h30, todos os dias.

Aos 15 anos, Nádia Dias fez a primeira tentativa: se candidatou para participar de um curso de empreendedorismo social e desenvolvimento sustentável da Universidade Yale, que duraria cerca de duas semanas. A família gastou R$ 200 com a inscrição, mas a jovem não foi selecionada.

Mesmo desapontada, ela não desistiu de tentar outros programas internacionais. A estudante conta que guardou a carta de recusa da Universidade Yale na gaveta, e usou como incentivo para estudar ainda mais.

Nádia Dias fez o Ensino Médio nos colégios Jardim Universitário e Helena Kolody, em Sarandi. Apaixonada por Química e Física, escolheu Física e foi aprovada nos vestibulares da UEM e da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT).

Optou pela UEM para ficar perto da família e economizar com os custos de moradia. Em abril de 2019, soube que as inscrições para o TrepCamp estavam abertas, resolveu tentar.

“Na minha cabeça, não seria selecionada para o TrepCamp, mas pensei: o ‘não’ eu já tenho, vou tentar. Respondi o questionário online e no dia 1º de junho, recebi um e-mail, que já começava me parabenizando e dizia que tinha sido selecionada. Mandei mensagem para uma amiga de Brasília, que também foi selecionada, para perguntar se era verdade mesmo. Até hoje não caiu a ficha”, conta.

No dia 1º de junho, Nádia Dias soube que foi uma das 500 pessoas selecionadas para participar do TrepCamp, no Vale do Silício / Arquivo Pessoal

Nádia conta que a família não tem condições financeiras para arcar com os gastos da viagem. A mãe, Solange dos Santos Dias Mendes, trabalha como zeladora em uma instituição de ensino superior de Maringá, e o padrasto, Valdemir Ribeiro Mendes, é metalúrgico. A estudante tem duas irmãs, uma de nove e outra de 13 anos.

Como a bolsa obtida cobre apenas 20% das despesas da viagem, Nádia vai precisar arcar com cerca de R$ 25 mil. O valor inclui a taxa de matrícula, passagens de avião e táxi, hospedagem e alimentação. A vaquinha online é a única alternativa para a aluna de Física da UEM conquistar o objetivo.

E não está nada fácil. Até o momento, a jovem arrecadou R$ 150, o que corresponde a apenas 0,6% do valor total. Para conseguir viajar para os Estados Unidos, a estudante precisa conseguir o dinheiro até o dia 30 de junho. O TrepCamp inicia no dia 22 de julho.

“Jamais imaginei que eu, neta de ativistas do Movimento Sem Terra (MST), teria a oportunidade de estudar durante três semanas no Vale do Silício, o maior polo tecnológico do mundo. Cheguei até aqui com o apoio da minha família, e porque sempre me dediquei muito. O TrepCamp vai agregar muito ao meu currículo, além da experiência que vou adquirir lá”, conta Nádia Dias.

Quando terminar a graduação, Nádia Dias pretende fazer mestrado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), no Grupo de Biofotônica, ou em alguma universidade do Canadá. Seu maior sonho é viver de pesquisa. “Quero trabalhar como pesquisadora de biofotônica, que é o estudo da radiação do tecido biológico para tratamento de doenças. Também tenho vontade de dar aulas”, conta a jovem.

Acesse aqui o link para ajudar a estudante com qualquer valor. Quem quiser conhecer melhor a história da aluna de Física Nádia Silva, é só entrar em contato com ela por e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou por telefone/WhatsApp no (44) 999757557.

https://maringapost.com.br/cidade/2019/06/06/aluna-de-fisica-da-uem-e-selecionada-para-participar-de-programa-no-vale-do-silicio-ela-precisa-de-ajuda-para-ir/