Sidebar

22
Ter, Out

Universidade está com a oferta de 1,4 mil vagas. Resultado do processo seletivo é esperado para 16 de agosto.

 

Crédito: Divulgação/Mallu Andrade/UEM

A Universidade Estadual de Maringá (UEM) divulgou nesta quarta-feira, 17 de julho, o gabarito preliminar do Vestibular de Inverno 2019.

Veja as provas e o gabarito preliminar da UEM

Os candidatos que desejarem apresentar recurso deverão preencher o formulário (lembrando que cada formulário deve referir-se somente a uma questão) e fazer o protocolo na CVU, no Bloco 28, das 7h40 às 11h e das 13h30 às 16h30. O período vai até as 15h de amanhã, 18 de julho. Após o fim do prazo, os recursos serão analisados e o gabarito definitivo será publicado.

O Vestibular

Mais de 18 mil candidatos se inscreveram no processo seletivo da UEM que realizou as provas em duas etapas, nos dias 14 e 15 de julho.

No primeiro dia foi aplicada a Prova 1, contendo uma redação e 40 questões objetivas de Conhecimentos Gerais. No segundo dia, a Prova 2, com 50 questões objetivas divididas por Língua Portuguesa (10), Literaturas em Língua Portuguesa (5), Língua Estrangeira (5) e Conhecimentos Específicos (30).

O resultado do Vestibular de Inverno 2019 é esperado para o dia 16 de agosto. Já as matrículas dos aprovados devem ser realizadas no início de 2020.

Vagas

A UEM ofereceu 1.494 vagas, das quais 288 foram destinadas aos candidatos das cotas sociais. As oportunidades da UEM são para Maringá, Umuarama, Cianorte, Goierê e Cidade Gaúcha.

Para mais informações acesse o Site da UEM ou consulte o edital.

https://vestibular.brasilescola.uol.com.br/noticias/uem-gabarito-vestibular-inverno-2019-divulgado/345872.html

Foto: Sinteemar

Os servidores da Universidade Estadual de Maringá (UEM) decidiram cruzar os braços e aderir a mobilização geral dos servidores do Paraná na próxima segunda-feira (29). A paralisação foi aprovada após assembleia do Sinteemar (Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino de Maringá) na noite de terça-feira (23). A motivação é a mesma das demais categorias: a defasagem de 16,24% dos salários devido a falta de reajuste inflacionário desde 2016 e a afirmação do governador Ratinho Júnior de que os servidores não terão reajuste salarial em 2019.

O presidente do Sinteemar, José Maria Marques critica o governador Ratinho Junior (PSD) que, segundo ele, não cumpriu a promessa de campanha eleitoral, que era reunir as entidades sindicais e fazer um planejamento de reajuste para os próximos quatro anos. “O que a gente quer é que o governo cumpra com a palavra dele durante a campanha ou a política dele vai ser a mesma do Beto Richa? Se a política desse governo vai ser a mesma, os trabalhadores vão mostrar que estão mobilizados”, declarou.

Segundo o Sinteemar, dois ônibus com servidores devem sair de Maringá com sentido para Curitiba. A manifestação dos servidores acontece na Praça Nossa Senhora de Salete, em frente ao Palácio Iguaçu, sede do governo, e da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep).

Em nota, a Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior garantiu que “a UEM mantém o calendário acadêmico” e que “a paralisação é uma decisão sindical que a universidade respeita. Bem como a decisão pessoal de cada servidor em aderir. No entanto, o calendário acadêmico será mantido.”

Professores

A paralisação dos professores está marcada para ocorrer no dia 29 de abril, data que marca o confronto entre professores e policiais militares na Praça Nossa Senhora da Salete, em frente à Assembleia Legislativa e o Palácio Iguaçu, em 2015. “Vamos fazer essa paralisação esperando respostas do governo estadual. É um governo novo que tem que responder pelo presente e também pelo passado”, disse a professora Marlei Fernandes, vice-presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação.

Agentes penitenciários

A categoria se reuniu na última semana em frente ao Palácio Iguaçu e pediram melhores condições de trabalho nos presídios paranaenses e o reajuste salarial. Na assembleia foi definido a paralisação no dia 29 de abril. Os servidores entoaram o grito “se o governo não pagar, o sistema vai parar” durante o ato.

De acordo com o Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná (Sindarspen), desde 2010, o número de presos nas penitenciárias do Paraná subiu de 14 mil para 21 mil, enquanto o número de agentes caiu. Das 4.131 vagas na carreira de agentes, atualmente, apenas 3.098 estão ocupadas. Além disso, para atender a demanda, há a necessidade de mais 6.400 vagas na carreira de agente penitenciário, segundo estimativas do próprio Departamento Penitenciário do Paraná (Depen).

https://paranaportal.uol.com.br/politica/servidores-da-uem-definem-paralisacao-no-dia-29-de-abril/

José Fernando Ogura/AEN

A UEL (Universidade Estadual de Londrina) está entre as 30 instituições que mais produzem pesquisa científica no Brasil, segundo estudo divulgado pelo jornal da USP (Universidade de São Paulo). A UEM (Universidade Estadual de Maringá) também figura na lista. 

Os dados foram retirados da base Web of Science, plataforma referencial de citações científicas, no período de 2014 a 2018. A plataforma também aponta que o professor Daniel Granato, da UEPG (Universidade Estadual de Ponta Grossa) está entre os professores mais citados do mundo.

Das 50 instituições que mais publicaram trabalhos científicos no Brasil nos últimos cinco anos, 36 são universidades federais, 7 estaduais, 1 particular, 5 institutos de pesquisa ligados ao Governo Federal, além de 1 instituto federal de ensino técnico. 

A UEL está na 29ª colocação com 3.168 documentos produzidos no período, enquanto a UEM ocupa a 25ª posição da tabela com 3.656 documentos. As duas universidades, juntas, representam 3% da produção científica total do país. 

As duas universidades juntas possuem 106 programas de pós-graduação, 638 grupos de pesquisa e cerca de 1,5 mil bolsistas divididos em professores doutores pesquisadores, bolsistas de pós-graduação e estudantes de graduação que contribuem para a produção científica do Paraná e do Brasil. 

A USP é a universidade que lidera o levantamento, com participação em mais de 20% das pesquisas publicadas no país. A pesquisa também destaca que, segundo Indicadores Nacionais de Ciência, Tecnologia e Inovação, 80% dos pesquisadores do país estão nas universidades. 

Para o pró-reitor em exercício de pesquisa e pós-graduação da UEL, Arthur Mesas, a universidade possui um alto padrão de qualidade em sua produção científica. "Temos um grupo de 118 professores que são bolsistas de Produtividade em Pesquisa e 11 que são bolsistas em Desenvolvimento Tecnológico do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), reconhecidos por sua produção científica. A quantidade e a qualidade dessas produções colocam a universidade em posição de destaque", afirma. 

O pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da UEM, Clóves Cabreira Jobim, destacou a importância do ranking. "O resultado é reflexo dos trabalhos que os pesquisadores da UEM têm desenvolvido na instituição e que são divulgados em periódicos científicos de qualidade", diz.

Segundo o diretor-geral da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Aldo Nelson Bona, o resultado do ranking é o reconhecimento do trabalho das universidades. "Temos grandes pesquisadores nas nossas universidades e institutos de pesquisa, por isso ganhamos destaque nas avaliações nacionais e internacionais. O resultado é decorrente do apoio do Governo e do excelente trabalho desenvolvido nas instituições estaduais". 

Professor da UEPG 

Entre os 12 pesquisadores brasileiros mais citados em todo o mundo está o professor da UEPG Daniel Granato. O docente, que atua no Departamento de Engenharia de Alimentos, é o 3º pesquisador mais produtivo do Brasil e o 271º do mundo na área de Ciências Agrárias, além de ter publicado 12 artigos que estão entre os mais citados da história da Ciência e Tecnologia de Alimentos. 

Granato aparece no ranking Highly Cited Researchers, que classifica os pesquisadores de acordo com as citações dos artigos científicos produzidos por ele. 

Este ranking é um dos mais utilizados para avaliar a relevância e proeminência científica e é organizado pela empresa americana de análise de dados Clarivate Analytics com base na plataforma de dados Web of Science. Em 2018, o professor recebeu também o Tanner Award, que reconhece os artigos mais citados da revista Journal of Food Science. 

A UEPG também é a melhor universidade brasileira em ‘Educação de Qualidade’, segundo o ranking de impacto universitário do mundo, produzido pela revista THE (Times Higher Education). 

A universidade obteve a posição 48º dentre mais de 301 instituições que participaram do processo. A UEPG possui 35 programas de pós-graduação, 194 grupos de pesquisa e 991 bolsistas em atividade.

https://www.bonde.com.br/educacao/noticias/uel-esta-entre-as-30-universidades-que-mais-produzem-pesquisa-cientifica-494283.html

(Foto: Arquivo UFPR)

Cinco universidades do Paraná estão entre as 50 instituições de ensino superior que mais publicaram trabalhos científicos entre 2014 e 2018. As informações são referentes a dados da Web of Science, com compilação da Clarivate Analytics, a pedido do Jornal da USP (Universidade de São Paulo). São elas: a Universidade Federal do Paraná (UFPR), a Universidade Estadual de Maringá (UEM), a Universidade Estadual de Maringá (UEM), a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e a Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), a única particular que entrou no ranking.

Das 50 instituições que mais publicaram trabalhos científicos no Brasil nos últimos cinco anos, 44 são universidades (36 federais, 7 estaduais e 1 particular) e 5 são institutos de pesquisa ligados ao governo federal (Embrapa, Fiocruz, CBPF, Inpa e Inpe), também mantidos com recursos públicos, além de 1 instituto federal de ensino técnico (veja gráfico). A USP é, disparada, a maior “fábrica de ciência” brasileira, com participação em mais de 20% das pesquisas publicadas no País. Ou seja, de cada 10 trabalhos científicos produzidos no Brasil, 2 tem pelo menos um pesquisador da USP entre os autores.

Veja a produtividade das universidades paranaenses e a posição no ranking

8º UFPR, com 8,156 pesquisas publicadas, representando 3,80% do total nacional

25º UEM 3.656 pesquisas publicadas, representando 1,70% do total nacional

29º UEL 3.168 pesquisas publicaas, representando 1,47% do total nacional

34º UTFPR 2.414 pesquisas publicadas, representando 1,12% do total nacional

45º PUCPR 1.546 pesquisas publicadas, representando 0,72% do total nacional

https://barulhocuritiba.bemparana.com.br/post/cinco-universidades-do-parana-estao-entre-as-50-que-mais-produzem-pesquisa-no-brasil

A Seleção é destinada à contratação de Professor Temporário.

O Pró-Reitor de Recursos Humanos e Assuntos Comunitários da Universidade Estadual de Maringá - UEM, anuncia realização de Processo Seletivo que visa à contratação de Professor Temporário.

O Professor Auxiliar deve possuir Graduação ou Especialização, bem como o Professor Assistente e Adjunto, devem portar os Títulos de Mestre ou Doutor. A estes profissionais será pago remuneração mensal que alterna entre R$ 1.622,91 à R$ 8.208,59, de acordo com titulação e a carga horária cumprida que varia entre 20 a 40 horas semanais.

Os contratados irão ministrar aulas nas seguinte disciplinas: Bioquímica Molecular (1); Anatomia e Histologia Humanas (1); Serviço Social (1); Ensino de História (3); Língua Portuguesa (2); Toxicologia (1); Neurologia (1); Pediatria (1); Semiologia Médica (1); Marketing, Gestão da Produção do Vestuário, Administração e Finanças Empresariais (1); Modelagem Plana, Tridimensional e Automatizada (1); Prototipagem e Aplicação dos Materiais (1) e Fenômenos de Transporte (1).

Os candidatos devem portar Graduação, Pós-Graduação, Especialização, Mestrado ou Doutorado, de acordo com o que estabelece á área de atuação pretendida.

As inscrições devem ser efetuadas no período compreendido entre os dias 10 e 24 de abril de 2019, no endereço eletrônico www.uem.br/concurso. Esta etapa será integralmente por meio eletrônico, inclusive apresentação do currículo documentado e da Cédula de Identidade (RG). A taxa de participação tem valor de R$ 153,00 e deve ser recolhida até a data de 25 de abril de 2019, em qualquer agência bancária.

Na data provável de 10 de maio de 2019, será divulgado o local de realização da prova escrita no endereço eletrônico da UEM.

A Seleção consistirá de Prova Escrita, Prova Didática e Avaliação de Títulos e Currículo. A Prova Escrita será aplicada na data provável de 26 de maio de 2019, bem como a prova Didática no qual será realizada no período de 10 a 14 de junho de 2019, no entanto, a data horário e local do sorteio da ordem de submissão dos candidatos serão definidos posteriormente.

A avaliação de títulos e currículo será aplicada apenas aos candidatos aprovados nas provas escrita, didática e prática e em sessão reservada. O contrato poderá ter prazo máximo de dois anos, já considerando as prorrogações.

O Processo Seletivo tem validade de 24 meses a contar da data da homologação do resultado final, sem prorrogação. Para mais informações, consulte Edital disponível em nosso site.

https://www.pciconcursos.com.br/noticias/uem-promove-novo-processo-seletivo-para-nivel-superior

Mais Artigos...

Página 1 de 3