Sidebar

31
Dom, Mai

06/04/2020 15:24 em Notícias de Maringá

Estudo realizado por Marcílio Hubner de Miranda Neto e Isabel Ferreira da Silva Chagas, integrantes do Grupo de Estudo de Evidências Científicas em COVID-19 da Universidade Estadual de Maringá (UEM), identificou falhas cometidas por clientes nos mercados que podem expandir a transmissão do coronavírus.

Segundo o artigo, os clientes têm mantido a distância mínima desejável, mas conversam uns com os outros e também usam o celular dentro dos mercados enquanto percorrem os corredores e escolhem suas mercadorias. “As pessoas precisam compreender que enquanto falam, eliminam gotículas de saliva que podem contaminar mercadorias e objetos. Na sequência, pessoas que tocarem tais objetos poderão ser contaminadas, dentre elas, os próximos clientes, os operadores dos caixas, alguém que não foi ao mercado, mas teve contato com produtos ou embalagens contaminados que foram levados para casa” esclarece Marcílio Hubner de Miranda Neto. 

O estudo deixa evidente que, nos mercados, as gotículas de saliva de quem conversa e as mãos mal lavadas ou contaminadas por fezes são outro grande perigo. Nesse sentido, os autores do artigo flagraram banheiros de supermercado sem sabão para lavar as mãos e sem papel toalha. “O vírus pode permanecer viável por até 72 horas em superfícies de plástico e de aço inoxidável, portanto tome cuidado com torneiras e vasos sanitários, em especial os de uso coletivo. Se o cliente tiver que manipular a chave de abertura da torneira, que a ensaboe também, a seguir lave muito bem as mãos, encha-as de água para enxaguar a parte da torneira que terá que tocar. O cliente também deve fazer uso do papel toalha para secar as mãos e a seguir para fechar a torneira.” explica Isabel Ferreira da Silva Chagas.

Saiba o que podemos fazer para reduzir a intensidade do surto da COVID-19. 

Antes de tudo, considere que você pode ser um portador que já está transmitindo o coronavírus, embora não tenha e talvez não venha a ter sintomas claros da COVID-19. 

1 – Quando estiver em um ambiente público ou em um estabelecimento que desempenha atividades essenciais, fale o mínimo possível com as outras pessoas; 

2- Não use o celular enquanto escolhe produtos em farmácias e supermercados. De preferência deixe o celular em casa; 

3 – Evite conversar com os operadores de caixa e balconistas; 

4 – Higienize muito bem as suas mãos, antes e após sair do supermercado ou farmácia; 

5 – Não tenha vergonha de usar máscaras durante suas compras, elas protegem as outras pessoas caso você esteja contaminado e não saiba, pois ajudam a reduzir a quantidade de agentes contaminantes que você lança no ambiente (não toque a máscara durante o uso e busque instruções sobre a forma correta de colocar, retirar e descartar);

 6 – Se tossir ou espirrar, cubra a boca ou nariz com o ombro. Não cubra com as mãos pois se você estiver com a COVID-19 suas mãos ficarão contaminadas e poderão contaminar tudo o que você tocar antes de higienizá-las; 

7 – Só utilize os sanitários públicos em caso de muita urgência. Lembre-se: as fezes e a urina podem contaminar as instalações sanitárias; 

8 – Se você é uma pessoa com manifestações alérgicas e que espirra com frequência, evite ir ao mercado, farmácias e outros ambientes públicos que permanecem fechados. Caso o faça, use máscara, pois estudos demonstraram que o coronavírus na forma de aerossóis (similar ao que ocorre no espirro) pode permanecer por até 3 horas no ar e contaminar outras pessoas que passarem pelo mesmo ambiente, inclusive depois que você for embora, ou as gotículas eliminadas podem contaminar superfícies de caixas eletrônicos, balcões, prateleiras e mercadorias (lembre-se você pode ser um portador que ainda não manifestou os sintomas ou que terá apenas sintomas subclínicos, quase imperceptíveis); 

9 – Não toque seu rosto durante o tempo que estiver fora de casa. Resista e somente o faça após lavar muito bem as mão com água e sabão ou após uma boa desinfecção com álcool gel a 70%, pois elas podem ter sido contaminadas por algum objeto que você tocou e que possuía o vírus em sua superfície; 

10 – Ao chegar das compras, não entre com o calçado que veio da rua, higienize as mãos, sacolas e seus conteúdos, tome banho e troque de roupas; 

11 – Respeite as normas de isolamento social recomendadas pela OMS, pelo Ministério da Saúde e pelo Governo do seu Estado e de seu Município.  

(Comunicação UEM)

https://radiomaringa.com.br/noticia/685232/grupo-de-estudo-da-uem-alerta-que-cuidados-em-mercados-nao-sao-suficientes-para-evitar-propagacao-do-covid-19

O atendimento do Núcleo Maria da Penha (Numape) de enfrentamento à violência doméstica, da Universidade Estadual de Maringá (UEM), continua sendo realizada, de forma virtual, no período de isolamento social, decorrente da pandemia da Covid-19.

Além de informações e orientações às mulheres em situação de violência doméstica, familiar e de gênero, o Numape presta atendimento jurídico e psicossocial.

Aquelas mulheres, independente de já terem passado por atendimento no Numape, poderão entrar em contato, de segunda-feira à sexta-feira, das 9h às 15h, via Whatsapp (9 8408-6305); via Facebook (Numape Uem), por meio do Messenger; por meio do e-mail; ou ainda via skype.

Quando a mulher é vítima de lesão corporal, estupro e tentativa de feminicídio, a Delegacia da Mulher está realizando Boletim de Ocorrência (BO) de forma presencial. Nos demais casos, há um formulário para ser preenchido e enviado por e-mail. Também por meio deste, a mulher pode solicitar uma medida protetiva contra o agressor.

O boletim de ocorrência também pode ser realizado via aplicativo da Polícia Militar e, em situações de emergências, a mulher deve entrar em contato com a patrulha Maria da Penha, pelo 153, que está funcionando 24 horas por dia.

(Foto: Comunicação UEM)

https://radiomaringa.com.br/noticia/682950/numape-da-uem-faz-atendimento-virtual-as-mulheres-vitimas-de-violencia

As aulas serão quinzenalmente, aos sábados, em período integral. O curso terá o custo de 20 parcelas de R$ 360

O processo seletivo será por ordem de inscrição, no limite de 40 vagas. (Foto: ASC/UEM)

O Programa de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas (PFS) da Universidade Estadual de Maringá (UEM) está com inscrições abertas para a especialização em Fisiologia Humana até 4 de março. As aulas terão início em 7 de março e encerrarão em 21 de agosto de 2021.

O processo seletivo será por ordem de inscrição, no limite de 40 vagas. O candidato deve se inscrever neste site ou presencialmente na secretaria do PFS: sala 111 do Bloco H-79. O valor da taxa é de R$ 100.

As aulas serão quinzenalmente, aos sábados, em período integral. O curso terá o custo de 20 parcelas de R$ 360.

Mestrado

O PFS permanece com inscrições abertas para o processo seletivo de ingresso na turma de mestrado do primeiro semestre de 2020. A inscrição tem o custo de R$ 200 e vai até 31 de janeiro.

São oferecidas nove vagas nas linhas de pesquisa em Fisiologia Integrativa e Fisiologia do Exercício, destinadas a graduados em cursos das áreas de Ciências Biológicas e da Saúde.

Devem ser preenchidos o protocolo de inscrição on-line neste link e o formulário de inscrição disponível em edital. Precisam ser entregues, junto com o restante da documentação exigida, na secretaria do PFS: sala 111 do Bloco H-79.

Para o pagamento da taxa de inscrição é necessário abrir este link com o código 4323 e digitar os dados solicitados. Serão duas etapas: prova escrita, e análise do Currículo Lattes com entrevista dos candidatos aprovados na primeira fase.

Mais informações – Em caso de dúvidas, envie e-mail para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou ligue (44) 3011-1379.

Fonte: ASC/UEM

https://umuarama.portaldacidade.com/noticias/educacao/inscricoes-para-especializacao-e-mestrado-em-fisiologia-estao-abertas-na-uem-2610

Universidade está com a oferta de 1,4 mil vagas. Resultado do processo seletivo é esperado para 16 de agosto.

 

Crédito: Divulgação/Mallu Andrade/UEM

A Universidade Estadual de Maringá (UEM) divulgou nesta quarta-feira, 17 de julho, o gabarito preliminar do Vestibular de Inverno 2019.

Veja as provas e o gabarito preliminar da UEM

Os candidatos que desejarem apresentar recurso deverão preencher o formulário (lembrando que cada formulário deve referir-se somente a uma questão) e fazer o protocolo na CVU, no Bloco 28, das 7h40 às 11h e das 13h30 às 16h30. O período vai até as 15h de amanhã, 18 de julho. Após o fim do prazo, os recursos serão analisados e o gabarito definitivo será publicado.

O Vestibular

Mais de 18 mil candidatos se inscreveram no processo seletivo da UEM que realizou as provas em duas etapas, nos dias 14 e 15 de julho.

No primeiro dia foi aplicada a Prova 1, contendo uma redação e 40 questões objetivas de Conhecimentos Gerais. No segundo dia, a Prova 2, com 50 questões objetivas divididas por Língua Portuguesa (10), Literaturas em Língua Portuguesa (5), Língua Estrangeira (5) e Conhecimentos Específicos (30).

O resultado do Vestibular de Inverno 2019 é esperado para o dia 16 de agosto. Já as matrículas dos aprovados devem ser realizadas no início de 2020.

Vagas

A UEM ofereceu 1.494 vagas, das quais 288 foram destinadas aos candidatos das cotas sociais. As oportunidades da UEM são para Maringá, Umuarama, Cianorte, Goierê e Cidade Gaúcha.

Para mais informações acesse o Site da UEM ou consulte o edital.

https://vestibular.brasilescola.uol.com.br/noticias/uem-gabarito-vestibular-inverno-2019-divulgado/345872.html

Foto: Sinteemar

Os servidores da Universidade Estadual de Maringá (UEM) decidiram cruzar os braços e aderir a mobilização geral dos servidores do Paraná na próxima segunda-feira (29). A paralisação foi aprovada após assembleia do Sinteemar (Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino de Maringá) na noite de terça-feira (23). A motivação é a mesma das demais categorias: a defasagem de 16,24% dos salários devido a falta de reajuste inflacionário desde 2016 e a afirmação do governador Ratinho Júnior de que os servidores não terão reajuste salarial em 2019.

O presidente do Sinteemar, José Maria Marques critica o governador Ratinho Junior (PSD) que, segundo ele, não cumpriu a promessa de campanha eleitoral, que era reunir as entidades sindicais e fazer um planejamento de reajuste para os próximos quatro anos. “O que a gente quer é que o governo cumpra com a palavra dele durante a campanha ou a política dele vai ser a mesma do Beto Richa? Se a política desse governo vai ser a mesma, os trabalhadores vão mostrar que estão mobilizados”, declarou.

Segundo o Sinteemar, dois ônibus com servidores devem sair de Maringá com sentido para Curitiba. A manifestação dos servidores acontece na Praça Nossa Senhora de Salete, em frente ao Palácio Iguaçu, sede do governo, e da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep).

Em nota, a Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior garantiu que “a UEM mantém o calendário acadêmico” e que “a paralisação é uma decisão sindical que a universidade respeita. Bem como a decisão pessoal de cada servidor em aderir. No entanto, o calendário acadêmico será mantido.”

Professores

A paralisação dos professores está marcada para ocorrer no dia 29 de abril, data que marca o confronto entre professores e policiais militares na Praça Nossa Senhora da Salete, em frente à Assembleia Legislativa e o Palácio Iguaçu, em 2015. “Vamos fazer essa paralisação esperando respostas do governo estadual. É um governo novo que tem que responder pelo presente e também pelo passado”, disse a professora Marlei Fernandes, vice-presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação.

Agentes penitenciários

A categoria se reuniu na última semana em frente ao Palácio Iguaçu e pediram melhores condições de trabalho nos presídios paranaenses e o reajuste salarial. Na assembleia foi definido a paralisação no dia 29 de abril. Os servidores entoaram o grito “se o governo não pagar, o sistema vai parar” durante o ato.

De acordo com o Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná (Sindarspen), desde 2010, o número de presos nas penitenciárias do Paraná subiu de 14 mil para 21 mil, enquanto o número de agentes caiu. Das 4.131 vagas na carreira de agentes, atualmente, apenas 3.098 estão ocupadas. Além disso, para atender a demanda, há a necessidade de mais 6.400 vagas na carreira de agente penitenciário, segundo estimativas do próprio Departamento Penitenciário do Paraná (Depen).

https://paranaportal.uol.com.br/politica/servidores-da-uem-definem-paralisacao-no-dia-29-de-abril/

Mais Artigos...

Página 1 de 4