Sidebar

20
Sex, Set

Portal G1
Tools

Problemas ocorreram durante o fim de semana. Pronto-Socorro do hospital estava sem pediatra e cirurgião entre sexta-feira (16) e domingo (18). Nesta segunda-feira (19), situação foi normalizada, segundo Superintendência.

Pacientes enfrentam dificuldades para conseguir atendimento no HU em Maringá


O pronto-socorro do Hospital Universitário de Maringá (HUM), no norte do Paraná, ficou sem cirurgião e pediatra para atender neste fim de semana. Pacientes que procuraram atendimento de urgência e emergência no hospital enfrentaram dificuldades.

Um pediatra que atende na Unidade de Terapia Intesiva (UTI) Pediátrica passou a atender o pronto-socorro no domingo (18) porque não havia médico de plantão dessa especialidade no setor.

Na noite de sexta-feira (16), pacientes que estavam em quatro ambulâncias do Corpo de Bombeiros e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) esperaram mais de uma hora dentro dos veículos porque não havia médico de plantão.

O hospital só acolheu feridos e doentes depois que a Polícia Militar (PM) foi chamada. Dentro das ambulâncias dos bombeiros havia dois pacientes vítimas de acidente de trânsito.

O Hospital Universitário é referência na região, atende 155 cidades. Atualmente, tem 123 leitos, sendo 26 de UTI adulto, pediátrica e neonatal.

De acordo com a Universidade Estadual de Maringá (UEM), por falta de profissionais, ocorreu um furo na escala de trabalho. O hospital tem um déficit de 139 funcionários, sendo 36 médidos.

Segundo a superintendência do hospital, nesta segunda-feira (19), a situação voltou ao normal, os médicos já voltaram a atender e não há furos na escala.

O governo do estado informou que está trabalhando para fazer novas nomeações o mais rápido possível, dessa forma repor as vagas de funcionários que se aposentaram ou foram demitidos. Essa reposição será feita por concurso público. O governo ainda estuda a realização de contratações temporárias.
https://g1.globo.com/pr/norte-noroeste/noticia/2018/11/19/com-problemas-nas-escalas-de-medicos-pacientes-esperaram-horas-por-atendimento-no-hospital-universitario-de-maringa.ghtml