Sidebar

22
Qua, Ago

Portal G1
Tools

Exposição "As várias formas de genocídio da mulher negra" está na biblioteca da universidade. Imagens de câmeras de segurança são analisadas para descobrir o autor do ato.

Uma foto da vereadora carioca Marielle Franco que faz parte de uma exposição montada na biblioteca da Universidade Estadual de Maringá (UEM), no norte do Paraná, foi rabiscada. A universidade analisa imagens de câmeras de segurança para identificar o responsável pelo vandalismo. Marielle Franco foi assassinada em março deste ano.

A imagem está na exposição "As várias formas de genocídio da mulher negra – Com Homenagem a Marielle Franco", organizada pelo Núcleo de Estudos Interdisciplinares Afro Brasileiros (Neiab) da UEM.

Na foto foi rabiscada a seguinte frase "Lésbica foi um mal exemplo". Para a coordenadora do Neiab, Marivânia Conceição Araújo, essa foi mais uma demonstração de violência contra a população negra.

“Infelizmente é mais uma forma de violência direcionada. Quando a luta contra o preconceito começa a ter mais visibilidade, a população negra começa ter voz, sempre ocorrem reações contrárias. Isso é desagradável, é uma violência contra a mulher negra e contra a condição pessoal da ex-vereadora”, diz a coordenadora.

Após analisar as imagens de câmeras de segurança e identificar o responsável pelo vandalismo, a coordenadora do Neiab afirma que a universidade pode punir o autor se ele for aluno, professor ou servidor da instituição.

“Se for identificado que a pessoa não faz parte da instituição, há a possibilidade de entrar com uma ação judicial proibindo o acesso à biblioteca”, explicou Marivânia.

Além dessa foto rabiscada, a exposição conta com mais duas fotos de Mariele Franco. A exposição foi montada no dia 23 de julho na biblioteca da UEM e segue até 30 de julho.

A exposição traz fotos de 21 mulheres negras que foram assassinadas nos últimos anos. Entre elas está uma foto de Vilma Yá Mukumby, que foi líder do movimento negro de Londrina, mas foi assassinada em 2013.

Investigação sobre a morte da vereadora

Há quatro meses as investigações sobre as mortes de Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes estão sob sigilo. Na terça-feira (24), a Polícia Civil comunicou a prisão de dois suspeitos de envolvimento na morte da vereadora, um ex-policial militar e um ex-bombeiro.

Foto de Marielle Franco que faz parte de exposição na UEM foi vandalizada (Foto: Neiab/Divulgação)

https://g1.globo.com/pr/norte-noroeste/noticia/2018/07/26/foto-de-marielle-franco-e-rabiscada-em-exposicao-na-universidade-estadual-de-maringa.ghtml