Sidebar

05
Sex, Jun

Instituição está entre as 91 melhores universidades do mundo, que cumprem a agenda 2030 da ONU.

A UEL foi apontada a segunda melhor instituição brasileira no THE Impact Ranking, divulgado nesta terça-feira (21), que avaliou 766 Universidades em todo o mundo sobre o trabalho desenvolvido para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU). Entre as 766 avaliadas no mundo, a Universidade ficou na posição de número 91, à frente de Universidades reconhecidas no país, despontando como a paranaense mais bem posicionada. No Brasil, a UEL ficou em segundo lugar, atrás apenas da USP (Universidade de São Paulo).

De acordo com a Diretora de Avaliação e Informação Institucional, da Pró-reitoria de Planejamento (Proplan), professora Elisa Emi Tanaka Carloto, a ótima posição retrata um trabalho real desenvolvido pela comunidade universitária considerando ações, projetos e pesquisas com foco na agenda 2030 da ONU, que aponta prioridades como erradicação da pobreza, agricultura sustentável, saúde e bem-estar, redução de desigualdades, parcerias e meios de implementação, energia limpa e outros.

Dos 17 itens que compõem a Agenda 2030, a UEL respondeu a 15, elencando ações e projetos desenvolvidos, com destaque para a Usina Fotovoltaica, entregue em novembro passado, com capacidade para manter cerca de 250 residências médias durante um ano. A estrutura é resultado do Projeto de Eficiência Energética aprovado em Chamada Pública assinada pela COPEL e Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Além das placas de captação, o Projeto de Eficiência Energética e de Pesquisa e Desenvolvimento Estratégico incluiu uma unidade geradora de energia elétrica a biogás, além da substituição de lâmpadas fluorescentes – Led, troca de 40 condicionadores de ar e de 40 destiladores de água, por equipamentos mais eficientes e de menor gasto energético. Também foram instalados 40 medidores para avaliar o consumo no Campus Universitário.

Outro destaque da UEL foi no item Erradicação da Pobreza, que de acordo com os avaliadores, as instituições devem ter ações para colaborar com uma sociedade mais igualitária. Segundo a professora Elisa, os programas de apoio à permanência de estudantes carentes desenvolvidos pela UEL tiveram grande peso. Foram destacados a Moradia Estudantil, as bolsas de estudos de inclusão social, o subsídio para refeições no Restaurante Universitário, a cessão de passes para o transporte público e projetos de educação financeira direcionados à população carente, além de programas de atendimento de saúde voltados à população vulnerável.

“O Ranking retrata a nossa realidade. Uma Universidade que olha para o futuro”, destacou a diretora. Ela salientou que o THE Impact Ranking é uma pesquisa qualitativa, que busca avaliar ações concretas da comunidade acadêmica e sua capacidade de estabelecer interlocuções com órgãos governamentais e agências. É uma metodologia diferente dos demais levantamentos que medem desempenho das Instituições considerando pesquisas desenvolvidas e os impactos no mercado.

Em sua segunda edição, esse ano, o levantamento é uma iniciativa do grupo britânico que elabora um dos mais conceituados rankings internacionais de universidades (THE World University). Para participar da pesquisa, as instituições necessitam enviar informações que comprovem pelo menos três itens da agenda, denominados ODS e obrigatoriamente com o ODS 17, definido como Parcerias e meios de implementação.

Ranking do Brasil

A Universidade de São Paulo (USP) é a instituição brasileira melhor colocada, seguida pela UEL e pela Universidade Federal do Espírito Santo. Entre as paranaenses que se destacaram estão a Universidade Estadual de Maringá (UEM), 8º lugar, Pontifícia Universidade Católica (PUC), 14ª colocação, Universidade Federal do PR, na 22ª posição, além da Universidade Tecnológica Federal do PR, 25º, e Universidade do Centro-Oeste (Unioeste), na 32ª posição.

Redação Tem com Assessoria

https://temlondrina.com.br/educacao/uel-e-eleita-a-2a-melhor-do-brasil-em-desenvolvimento-sustentavel/

Funcionamento depende de recursos para a compra de aparelhos e a liberação na contratação de pessoal

Reunião realizada nessa segunda-feira (20), na reitoria da Universidade Estadual de Maringá (UEM), onde estavam presentes o reitor da UEM, Julio Damasceno, o vice-reitor, Ricardo Dias, a superintendente do HUM, Elisabete Kobayashi, o prefeito de Maringá, Ulisses de Jesus Maia Kotsifas, o secretário de saúde, Jair Biatto, o diretor da 15ª Regional de Saúde, Ederlei Alkamim, e o presidente da Associação de Municípios do Setentrião Paranaense (Amusep), Romualdo Batista, discutiu ações de contingência e preparação dos novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e de enfermarias do Hospital Universitário Regional de Maringá (HUM), perante o surto da Covid-19.

No atual cenário que Maringá e região enfrentam devido à pandemia, todas as ações da UEM estão voltadas pra área da saúde, assim como o direcionamento de toda equipe que está focada no atendimento do HUM.

“Essa reunião foi realizada devido a demanda da Amusep, tendo como foco a questão da nova ala do HUM e o anseio de que essa ala seja definitivamente colocada a servido de toda a região, estabelecendo uma parceria e um trabalho para que possamos alcançar ações conjuntas para que a ativação dos 108 leitos (30 UTIs e 78 enfermarias), pelo Estado, por meio da Secretaria da Saúde do Estado do Paraná (Sesa) e Superintendência de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná (Seti), seja imediata.” explica Damasceno.

O HUM é o hospital de referência para o atendimento de pacientes de 29 das 30 cidades da área de abrangência da Amusep, “ter a estrutura pronta e em operação para receber os possíveis contaminados pelo vírus é uma preocupação geral dos prefeitos dessas localidades.

Nesse sentido, a associação, junto ao governo municipal, busca recursos estaduais, no intuito de auxiliar a estruturação do HUM para o atendimento dos 30 municípios que fazem parte da Amusep” esclarece Romualdo Batista.

O HUM tem uma nova ala de mais de 8 mil m² com capacidade para 108 leitos hospitalares disponíveis de imediato para serem colocadas em funcionamento, porém, há questões que vem sendo discutidas em relação a esses novos leitos que ainda dependem da liberação, pelo Estado, de recursos para aquisição de equipamentos e mobiliário, além da urgência na liberação dos recursos e na autorização para contratação, via teste seletivo simplificado e credenciamento de médicos, enfermeiros e pessoal de apoio. ASC/UEM

https://www.ofatomaringa.com.br/blog/ler?link=realizada-reuniao-entre-amusep-pmm-15%C2%AA-regional-de-saude-e-uem-para-ativacao-dos-108-leitos-do-hum

O Projeto de Educação Financeira Sustentável, do Curso de Economia da Universidade Estadual de Maringá (UEM) está oferecendo consultoria à comunidade interna e externa da Universidade, quanto à organização do orçamento e a busca do equilíbrio financeiro familiar decorrente às consequências do isolamento social devido a pandemia da Covid-19

O professor Antônio Zotarelli, da área de Empresas do Departamento de Economia (DCO) da UEM, que coordena o projeto de extensão, explica que serão realizadas orientações em relação a projeto de vida e noções de investimentos. “Sabemos que muitas pessoas tiveram prejuízos em seus rendimentos financeiros nesse período que estamos vivendo. Então desenvolvemos essa consultoria trabalhando com o orçamento familiar e noções de investimentos para auxiliar essas pessoas, atendendo de forma individual e tomando os devidos cuidados quanto às orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) para prevenção do coronavírus.”

As pessoas interessadas devem entrar em contato por meio do WhatsApp 99923-9965 para realizar o agendamento e atendimento.

(Foto: Comunicação UEM)

https://radiomaringa.com.br/noticia/694887/curso-de-economia-da-universidade-estadual-de-maringa-oferece-orientacoes-financeiras

Submissão de trabalhos será do dia 20 de abril a 10 de junho. Serão aceitos trabalhos para as sessões de apresentações orais e pôsteres

Promovido pela Associação Brasileira de Centros e Museus de Ciências (ABCMC) e pelo Museu Dinâmico Interdisciplinar (Mudi) da Universidade Estadual de Maringá (UEM), em parceria com vários centros e museus de ciências do Brasil, o IV Encontro Nacional de Centros e Museus de Ciências, que tem como temática “O papel dos Centros e Museus de Ciências na consolidação da interiorização da divulgação e popularização científica”, e está previsto que ocorra entre os dias 6 e 10 de setembro de 2020, nas dependências da UEM.

O evento oferece, além da reflexão e proposição de ações inovadoras, a oportunidade para o aperfeiçoamento de profissionais da área da popularização da ciência, por meio da rica programação científica, técnica e cultural que envolverá visitas a outros espaços regionais de Educação não Formal e Popularização da Ciência, palestras, mesas redondas, sessões coordenadas e oficinas.

“O evento é uma grande troca de resultados de ações de extensão, divulgação científica, ensino de ciências e pesquisa nessas áreas” explica Débora Sant´anna, pró-reitora de Extensão e Cultura da UEM.

Para este encontro, são esperados a participação de colaboradores dos vários tipos de instituições, gestores, educadores, pesquisadores e divulgadores da Ciência de todo Brasil e, inclusive, de outros países da América Latina, além de estudantes de diversas áreas.

Ainda de acordo com Débora Sant´anna, Maringá ser escolhida como sede de um evento nacional que antes havia sido realizado apenas em capitais, é de grande importância e reconhecimento para o Mudi. “Os museus de ciência também estão no interior e não só nas capitais. É muito importante para Maringá porque iremos reunir grupos, que serão parceiros inclusive na organização, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), das Universidades Estaduais e de seus respectivos museus. Iremos congregar um grupo paranaense para que tenha mais força na sua organização e assim trazer pra comunidade paranaense e, principalmente, maringaense essa ideia da importância da popularização da ciência, da importância dos museus de ciências para formação da população, melhoria da saúde e para melhoria do ensino de ciências como um todo”, enfatizou.

Considerando a pandemia do coronavírus e os seus efeitos na sociedade, a coordenação do evento acompanhará os acontecimentos e as determinações das autoridades sanitárias e se pronunciará com a devida antecedência sobre eventuais mudanças no cronograma.

A programação e a área de inscrições encontram-se no site https://doity.com.br/iv-encontro-abcmc-2020.

Sobre o Mudi

O Mudi é um museu institucionalizado na UEM e há 39 anos atua na popularização e divulgação científica em diversas áreas, seja com ações presenciais no seu espaço físico, ações itinerantes, jornadas interdisciplinares do conhecimento, projetos, cursos, eventos, mídias sociais e revista eletrônica. ASC/UEM

https://www.ofatomaringa.com.br/blog/ler?link=uem-sediara-encontro-nacional-de-centros-e-museus-de-ciencias 

O prefeito de Maringá, Ulisses Maia, anunciou em entrevista coletiva na manhã de hoje, 17, novas medidas de prevenção ao coronavírus na cidade, entre elas convênio para pesquisa de dispersão do vírus, aquisição de 300 mil máscaras, de 5 mil testes e de leitos de hotel para internamento de suspeitos. O encontrou com a imprensa marcou os 30 dias de publicação do primeiro decreto (436/2020), dispondo sobre medidas de prevenção. "O vírus é desconhecido, estamos conhecendo mais sobre ele e o que acontece em Maringá. Estamos salvando vidas com essas medidas", comentou o prefeito.

Maringá tem o melhor índice relacionando dados de situação epidemiológica comparando com outros pontos. São 66,7% em recuperados da doença. Enquanto no Paraná são 31,5%, Brasil com 48,5% e mundo com 28,02%. 

Dados sobre notificação entre 28 de fevereiro e 15 de abril apontam que Maringá teve 54% de mulheres notificadas, 55% entre 14 e 59 anos e 71% não tem comorbidade (doença prévia). Já entre casos positivos 59% foram homens, 63% sem comorbidade e 71% entre 14 e 59 anos. Dados indicam que medidas dos decretos estavam corretas, já que foram baseadas em referências científicas e ajudaram a evitar maior propagação do vírus na cidade. 

REABERTURA - Ulisses Maia respondeu perguntas da imprensa sobre reabertura de comércio e volta de prestação de serviços. Um novo decreto deve ser publicado entre hoje e amanhã indicando reabertura gradativa de alguns segmentos. Ainda há conversas e reuniões sobre. Além disso, o uso de máscaras passará a ser obrigatório. 

Também falaram no evento o presidente da Câmara de Vereadores, Mário Hossokawa, e o reitor da Universidade Estadual de Maringá, Julio Damasceno. Ambos elogiaram iniciativas da prefeitura em prevenção ao coronavírus na cidade. Também participaram o Ministério Público, representantes das universidades e hospitais, 15ª Regional de Saúde, vereadores, entre outros.

(Foto: Aldemir de Moraes/PMM)

https://radiomaringa.com.br/noticia/693289/maringa-avanca-com-prevencao-e-pesquisa-sobre-covid-19

Mais Artigos...