Sidebar

05
Sex, Jun

 

Porto Velho, RO - Desde segunda-feira (11), extensionistas da Entidade Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Rondônia (Emater-RO) estão discutindo temas importantes para o desenvolvimento agropecuário através das atividades dos zootecnistas. O dia do zootecnista é comemorado no dia 13 de maio, mas esses profissionais dedicaram uma semana para falar da profissão, de gestão e de técnicas de manejo para uma boa alimentação animal. A semana do zootecnista apresentará uma palestra por dia, até a próxima sexta-feira (15).

 

A semana da Zootecnia é um evento onde os profissionais costumam trocar conhecimento, informações e se atualizarem sobre as atividades no mercado. Este ano, devido ao pacto de isolamento e distanciamento social em face à pandemia provocada pelo coronavírus (Covid-19), extensionistas da Emater-RO que atuam nesse segmento concordaram em realizar o evento de forma on-line, mantendo assim a tradição da semana da zootecnia. 

 

Veja a programação para os próximas dias:

 

SEMANA DA ZOOTECNIA / EMATER-RO
11 a 15 de maio de 2020

11/5 – A PROFISSÃO DO ZOOTECNISTA

– Alexandre Notti Miranda – zootecnista pela PUC/RS – Campus Uruguaiana, mestre em produção animal pela Universidade Federal de Pelotas RS, supervisor regional da área animal no escritório da Emater-RO no Território Cone Sul (Vilhena-RO)

– Diogo Passos de Carvalho – zootecnista pela FAZU – Faculdades Associadas de Uberaba/MG, pós-graduado em piscicultura, extensionista rural do escritório local da Emater-RO/Teixeirópolis

 

12/5 – SILAGEM- CUSTO E PRODUÇÃO

– Cristiane Abid Mudim – zootecnista pela Universidade Estadual de Maringá/PR, mestre em produção animal, gerente do escritório local da Emater/Espigão do Oeste

 

13/5 – PAPEL DO ZOOTECNISTA NA GESTÃO DE ATIVIDADES RURAIS

– Cleverson Oliveira dos Santos – Zootecnista pela Unemat Pontes e Lacerda/MT, mestre em produção animal pela Universidade Brasil/campus Descalvado/SP, gerente do escritório local da Emater/Vilhena

 

14/5- PASTAGENS EM RONDÔNIA – POR QUE DEVEMOS MANEJAR

– Camila Daniel Alves – zootecnista pela PUC/GO, especialista em metodologia da educação, supervisora regional n o escritório da Emater-RO do Território Madeira Mamoré, diretora estadual ABZ

– José Renato Alves – zootecnista pela Universidade de Marília/SP, mestre em zootecnia / área de concentração em nutrição de ruminantes pela UFV/MG, especialista em manejo de pastagem pela FAZU/MG, produção animal (bezerros neonatos) pela Unesp/Jaboticabal/SP, bovinocultura de leite: manejo, mercado e tecnologia pela UFLA/MG, produção de ruminantes pela Esalq/SP, responsável técnico estadual da área animal na Emater-RO, prof. nos cursos de zootecnia, medicina veterinária e agronomia e prof. resp. pelo campus experimental do Centro Universitário Aparício Carvalho/Fimca

 

15/5 – O PAPEL DO ZOOTECNISTA NA EXTENSÃO RURAL

– Anderson Kühl – zootecnista pela UEM – Universidade Estadual de Maringá/PR (2005), diretor técnico da Emater-RO

 

http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=387625&codDep=34

 

Pesquisadores do Departamentos de Estatística e Matemática da Universidade Estadual de Maringá (UEM) apresentaram nessa terça-feira (12), no Auditório Dona Guilhermina, uma plataforma criada para o acompanhamento dos casos da Covid-19, que fornece uma visão de passado, presente e uma previsão quanto ao futuro, aos secretários de 30 municípios que compõe a 15ª Regional de Saúde do Estado do Paraná.

 

O projeto surgiu a partir da pesquisa conjunta por modelos que descrevessem o comportamento do crescimento do número de casos de Covid-19 no município de Maringá.  “Por meio de reuniões entre a 15ª Regional da Saúde, equipe técnica vinculada a esta regional e os pesquisadores da UEM, detectamos a necessidade de respaldo técnico, principalmente por parte dos municípios menores, para auxílio na tomada de decisão” explica professora Daniele Cristina Tita Granzotto, chefe do Departamento de Estatística da UEM.

 

Ainda segundo Granzotto, o número de casos da Covid-19, do passado e presente, são apresentados por meio de estatística descritiva, gráficos e índices, fornecendo além de um panorama geral para todos os municípios, também cenários específicos para cada uma destas 30 cidades. “Pensando em previsão, incluímos na plataforma de acompanhamento estimativas tais como taxa de propagação, reprodução evolução, modelos de previsão, etc” explica Daniele.

 

A plataforma é atualizadas diariamente. Os técnicos vinculados à Regional de Saúde enviam planilhas atualizadas com os dados de notificação da Covid-19 e estas informações são organizadas e sistematizadas, para então alimentar o Dashboard (painel de um tipo de interface gráfica), disponível online e de acesso (neste momento) restrito aos gestores.

 

(Comunicação UEM)

 

https://radiomaringa.com.br/noticia/713744/pesquisadores-da-uem-desenvolvem-plataforma-para-a-15-regional-de-saude-do-parana

 

A Associação de Pós-Graduandos da Universidade Estadual de Maringá (APG) fez um levantamento sobre os impactos, para a área da pós-graduação da UEM, provocados pelo isolamento social adotado como forma de frear a incidência da Covid-19.

 

O objetivo foi oferecer amparo aos programas de pós-graduação da Universidade no que diz respeito às informações sobre como a pandemia do novo Coronavírus afeta a qualidade de ensino e o desempenho das atividades desenvolvidas por estes alunos.

 

Outra finalidade da pesquisa foi embasar a tomada de decisões sobre quais medidas devem ser empregadas nesse momento. O levantamento ocorreu entre os dias 24 de abril e 7 de maio. Responderam o formulário 1.031 profissionais matriculados em 42 cursos de pós-graduação.

 

Como resultado desta análise, a APG elaborou um informativo completo do estudo, com gráficos e tabelas, que pode ser acessado nas redes sociais da APG e por meio do link.

 

Para a pergunta, por exemplo, sobre quais eram os motivos caso o aluno não tivesse disponibilidade em participar das aulas remotas, a maioria respondeu a conexão instável da Internet (46,6%). As outras duas respostas mais recorrentes foram a necessidade de trabalhar (38,2%) e a falta de um ambiente adequado (26,3%).

 

Para outro questionamento que buscava saber por quais razões o estudante não participaria de aulas remotas, a maioria, 67,4%, disse que a qualidade não seria a mesma da aula presencial. A segunda resposta mais freqüente foi para não prejudicar aqueles que não teriam acesso às aulas em formato remoto (55,1%). As duas perguntas permitiam mais de uma resposta.

 

Dúvidas e questionamentos em relação ao levantamento podem ser feitos pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. Ou pelas redes sociais da APG-UEM (Facebook: Associação de Pós-Graduandos – UEM e Instagram: @apg.uem)

(Comunicação UEM)

 

https://radiomaringa.com.br/noticia/712795/apg-faz-levantamento-para-amparar-alunos-de-pos-graduacao-na-pandemia

As crianças e a Covid-19 na Europa e nas Américas’ é o tema da roda de conversa que acontecerá nessa sexta-feira (15), às 11h (horário de Brasília), com estudiosos brasileiros e portugueses. O evento foi organizado pelo Programa Multidisciplinar de Estudo, Pesquisa e Defesa da Criança e do Adolescente (PCA) da Universidade Estadual de Maringá (UEM) e Associação de Educadores Sociais de Maringá (Aesmar) e acontecerá por meio do Facebook.

 

“O objetivo dessa live especial é debater como as crianças, em diferentes países, estão sendo tratadas pelas políticas púbicas em época de pandemia” justifica Paula Marçal, coordenadora do PCA.

 

Participarão desse momento o educador Helder Santos do Street work Training Institute (SwTI) e Gestor de projetos da Conversas Associação Internacional (CAI), de Lisboa; a socióloga Catarina Tomás da Escola Superior de Educação de Lisboa e pesquisadora na Universidade Nova de Lisboa; e a professora Verônica Müller Professora da UEM e Presidente da AESMAR (Associação De Educadores Sociais De Maringá).

(Comunicação UEM)

 

https://radiomaringa.com.br/noticia/712012/uem-realiza-live-para-debater-politicas-publicas-em-relacao-as-criancas-durante-o-covid-19

 

Previstas para iniciarem hoje (11), as solicitações da 2ª chamada de vagas remanescentes para ingresso em graduações da Universidade Estadual de Maringá (UEM) foram adiadas para 18 de maio, conforme portaria. Este documento também muda a abertura da 3ª chamada de 22 para 28 de maio. As alterações não trazem prejuízos aos interessados.

 

A 2ª chamada é voltada para quem fez o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem); a 3ª, refugiados e imigrantes em situação de vulnerabilidade. As solicitações gratuitas dessas vagas são feitas exclusivamente via Internet, pelo site da Diretoria de Assuntos Acadêmicos (DAA) da UEM: ( www.daa.uem.br ).

 

 

Para saber como fazer o pedido para ingressar na graduação por intermédio de vagas remanescentes é preciso ler na íntegra os editais específicos de 2ª e 3ª chamadas a serem publicados na página da DAA e, claro, cumprir todos os requisitos. Tais vagas, no total de 830 nas três chamadas, são abertas porque o período de matrículas para 1ª, 2ª e 3ª chamadas regulares já foi encerrado.

 

 

Razão dos adiamentos – De 16 a 23 de abril de 2020, as solicitações de 1ª chamada puderam ser feitas. Como houve “número elevado de candidatos que solicitaram a vaga pelo Sistema de Cotas Sociais da UEM, há necessidade de maior prazo para a Comissão de Cotas Sociais da UEM realizar a análise dos pedidos de reconsideração”, informa Carlos Humberto Martins, diretor de Assuntos Acadêmicos.

 

 

2ª chamada: candidatos do Enem

A quem se destina?

Brasileiros que não prestaram processos seletivos da UEM, mas fizeram o Enem entre 2017 e 2019. Caso tenha prestado o Enem nos três anos, será considerada a pontuação maior do candidato, sendo que o mínimo exigido são 400 pontos (e sem ter zerado na redação).

 

Datas importantes

Agora, a partir de 18 de maio de 2020 (veja: http://www.daa.uem.br/estude-na-uem/vagas remanescentes/chamadas-2020/portaria-no005-2020-daa.pdf).

 

3ª chamada: refugiados e imigrantes em situação de vulnerabilidade

A quem se destina?

Refugiados e imigrantes em situação de vulnerabilidade que tenham prestado o Enem de qualquer ano sem ter zerado na redação nem na pontuação geral. Total de vagas: 72.

 

Datas importantes

Agora, a partir de 28 de maio de 2020 (veja: http://www.daa.uem.br/estude-na-uem/vagas-

remanescentes/chamadas-2020/portaria-no005-2020-daa.pdf). (Comunicação UEM)

 

https://radiomaringa.com.br/noticia/710793/uem-adia-para-18-de-maio-a-2-chamada-de-vagas-remanescentes-de-graduacao

Mais Artigos...