Sidebar

24
Qua, Abr

Parte da equipe da Universidade Estadual de Maringá, responsável pela produção dos turbantes

Uma parceria de amor. Assim pode ser definido o projeto “Amor em flor”, desenvolvido pelos alunos da Universidade Estadual de Maringá, dos cursos de Moda e Design, e pela comunidade de Cianorte/PR. Na manhã desta quinta-feira, dia 11, a equipe que veio do Paraná para realizar o projeto, montou um estande de distribuição de turbantes para mulheres que passam pelo tratamento de câncer e acompanhantes.

Segundo os alunos que ajudaram organizar o projeto, os graduandos Maria Amélia Filiar e João Paulo Langraff, o objetivo era de levar um pouco de amor e auto-estima às pacientes que aguardam por tratamento no Hospital de Amor de Jales. “Depois que minha mãe descobriu que estava com câncer e começou a se tratar aqui na unidade de Jales, nós tivemos a idéia de trazer esse projeto para cá. Mesmo morando longe dela, eu queria ajudar de alguma forma”, afirmou Maria Amélia.

O grupo confeccionou cerca de 180 unidades de turbantes. Tudo foi feito com retalhos doados por empresas têxteis, comércio forte daquela região do Paraná, como as marcas Tigrara, Fascíniu’s e a loja Pano pra Manga.

“Todos os turbantes vem com frases motivacionais, pois além da auto-estima, gostaríamos também de transmitir uma mensagem de paz e conforto a todos os pacientes”, finalizou João Paulo.

Para dona Maria Eunice de Oliveira, que trata de um câncer de mama, perder os cabelos foi uma fase difícil do tratamento. Ela conta que se sentiu acolhida quando soube da distribuição dos acessórios. “Igual a esse hospital não existe. Fico surpresa a cada dia, com a dedicação que recebo por parte de todos que estão envolvidos no atendimento. E esses jovens estão de parabéns, esse projeto foi lindo demais”, afirmou.

Para assistente de Captação de Recursos, Dara Freitas, a iniciativa é muito bonita e com certeza faz jus a um dos principais valores da instituição que é a humanização. “A auto-estima é muito importante para mulher nesta fase da vida e todo projeto que vem para ressaltar esse aspecto é sempre bem-vindo em nosso hospital”, finalizou.

http://atribunanaweb.com.br/noticia/alunos-da-uem-no-parana-confeccionam-e-entregam-turbantes-para-pacientes

Michele Caputo Neto, secretário estadual de Saúde, anunciou repasse de R$ 860 mil para continuidade de licitações e contratação de empresas

Publicado 4 semanas atrás em 11 de janeiro de 2018 Por Beatriz Amaro  Foto: Reprodução/UEM

Inaugurada há quatro anos, a ala do Centro de Oncopediatria do Hospital Universitário (HU) de Maringá, no norte do Paraná, poderá funcionar em seis meses graças a intervenções no sistema de tratamento de ar, na rede interna de gases medicinais e na infraestrutura.

A adequação foi anunciada nesta quarta-feira (10) pelo secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto, que garantiu R$ 860 mil para continuidade das licitações e contratação de empresas. Segundo ele, R$ 315 mil já estão na conta da Universidade Estadual de Maringá (UEM).

ATENDIMENTOS

Cerca um terço dos atendimentos realizados no Ambulatório de Hematologia do HU são de pacientes pediátricos. Anualmente, 115 destas crianças recebem diagnóstico de câncer, principalmente leucemia, e precisam ser encaminhadas para tratamento em Curitiba.

COMPLEXO ODONTOLÓGICO

Na reunião de quarta-feira, Caputo anunciou repasse de R$ 1,7 milhão para a obra de ampliação do Complexo Odontológico de Ensino, Pesquisa e Assistência. Segundo ele, R$ 1,4 milhão são para a obra e R$ 300 mil para equipamentos.

Previsão é ampliar o número de atendimentos ofertados em 20%.

https://www.diario24h.com/parana/maringa/ala-de-oncopediatria-do-hu-deve-comecar-funcionar-em-junho/

A UEM e a Unioeste foram as instituições que mais criaram cursos nesse período de 8 anos (Foto: Divulgação)

No período de 2010 a 2017, as sete universidades estaduais do Paraná criaram 113 cursos de mestrado acadêmico, profissional e doutorado, ou seja, registraram um aumento de 57% de novas áreas de conhecimento do ensino superior no Paraná. Além disso, as instituições também avançaram na oferta de cursos de especializações, somando 143 neste ano. No total, são mais de 400 cursos de pós-graduação disponibilizados pelas universidades estaduais do Paraná.

Só no último triênio (2015, 2016 e 2017) foram 55 novos cursos, sendo 17 mestrados acadêmicos, 14 mestrados profissionais e 24 doutorados. Segundo o secretário da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, João Carlos Gomes, as universidades aumentaram consideravelmente a qualidade na formação profissional e nas pesquisas produzidas. “Em 2010 eram 110 cursos de mestrado e 41 doutorados, hoje são 184 e 81, respectivamente. Aumentamos 60% dos mestrados e 50% dos doutorados. São novas áreas que possibilitam a formação de qualidade dos docentes e dos acadêmicos”, diz o secretário. “Tenho certeza que esse número ainda vai aumentar e ampliar o conhecimento produzido no Estado do Paraná”.

A Universidade Estadual de Maringá (UEM) e a Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) foram as instituições que mais criaram cursos nesse período de 8 anos.

A UEM passou de 30 mestrados em 2010 para 52 em 2017. No doutorado, foram oito novas possibilidades de formação em áreas como Biotecnologia Ambiental, História, Psicologia Integrada, Letras, Educação, entre outras. A universidade é a que mais oferta de cursos de pós-graduação entre as estaduais do Paraná.

Já a Unioeste, terceira instituição com mais cursos de pós-graduação, dobrou a quantidade ofertada de mestrados, de 17 para 36, e criou 10 cursos novos de doutorado.

 

Para o Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da Unioeste, Silvio César Sampaio o material humano foi essencial na evolução da universidade. “Nossa meta no começo da gestão era criar sete novos programas de pós-graduação, conseguimos criar dez. Era uma meta ambiciosa mas, graças ao trabalho conjunto superamos a expectativa. Nossa universidade possui docentes e técnicos de alto nível que ajudam a projetar nossas instituições cada vez mais”. A universidade espera que, até o ano que vem, mais quatro doutorados e três mestrados sejam criados.

Mais oferta

A UEL, universidade que mais oferta especializações entre as estaduais (51 áreas diferentes), também obteve um crescimento significativo na pós-graduação. Foram 8 novos mestrados e 10 doutorados entre 2010 e 2017. A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) aprovou em 2017 na UEL, o mestrado em Psicologia, Ciências Farmacêuticas e o doutorado em Enfermagem.

A UEPG e a Unicentro acompanharam o crescimento das outras universidades e mantiveram a porcentagem de criação de cursos. Na UEPG, os mestrados foram de 15 para 25 cursos e, os doutorados, aumentaram de 4 para 10.

No Centro-Oeste do Paraná, a Unicentro também dobrou a oferta de mestrados, de 8 para 16, além de ser autorizada pela CAPES para ofertar 4 novos doutorados.

https://www.diariodosudoeste.com.br/noticia/universidades-aumentam-em-50-cursos-de-mestrado-e-doutorado

Brasil tem mais de 480 programas de mestrado e doutorado que cumprem requisitos internacionais de excelência. Veja quais são

Ranking: 87 programas da USP (Michail_Petrov-96/Thinkstock)

São Paulo –  No Brasil, dentre os 3.472 cursos de pós-graduação stricto senso (mestrado e doutorado) analisados pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), 482 cumprem padrões internacionais de excelência.

Os resultados da Avaliação Quadrienal 2017 foram divulgados na quarta-feira, 20, no site da Capes. As notas variam de 1 a 7 e, para ter a recomendação da Capes de reconhecimento (para novos cursos) ou renovação de reconhecimento (para cursos já existentes) pelo Conselho Nacional de Educação – CNE/MEC, a exigência é de índice mínimo de 3.

Notas 1 e 2 resultam no descredenciamento do curso. Índice 4 e 5 significam um desempenho entre bom e muito bom. Cinco é a nota máxima para programas que possuem apenas curso de mestrado e as notas 6 e 7 indicam nível global de excelência

A instituição que mais tem programas acadêmicos de pós-graduação considerados excelentes pela Capes é a Universidade de São Paulo (USP), com 87 cursos com nota 6 ou 7. Da UFRJ são 41, da UFMG são 34 e da Unicamp, 33.

A lista completa está no site da Capes. A seguir, confira os programas que tiveram nota 6 ou 7:

https://exame.abril.com.br/carreira/este-sao-os-melhores-programas-de-mestrado-e-doutorado-do-brasil/

Foto: Prefeitura de Guaratuba

O Kings, de Maringá, sagrou-se campeão paranaense de Basquete em Cadeira de Rodas, cuja etapa final foi disputada em Guaratuba no último final de semana. A equipe tem apoio da União Metropolitana Paradesportiva de Maringá (UMPM) e da Universidade Estadual de Maringá (UEM).

O vice-campeonato da Divisão A ficou com o time da Associação dos Deficientes Amigos do Paradesporto de Pinhais (Adapp/Pinhais). O terceiro lugar ficou o Harpia da Fronteira, da União dos Deficientes Físicos de Foz do Iguaçu.

Além dos três primeiros participaram times de mais cinco cidades: Cascavel, Toledo, Castro, Ponta Grossa e Curitiba. A realização do campeonato foi da Federação Paranaense de Basquete em Cadeira de Rodas com apoio da Prefeitura de Guaratuba.

A abertura oficial da etapa, no sábado (16), o prefeito de Guaratuba, Roberto Justus, afirmou que a Prefeitura tem dado atenção à acessibilidade com a construção de rampas na praia e mutirões de fiscalização dos obstáculos nos passeios públicos. “Convido a todos os atletas para conferirem a cidade na questão da acessibilidade e nos retornar com sugestões, contem sempre conosco para essa questão”, ressaltou o prefeito.

O atleta Henrique Emanuel, 36 anos, da equipe do Toledo, disse que é uma honra participar do campeonato nesse primeiro ano da equipe e, após a competição, iria aproveitar para visitar a cidade.

Nascida em Guaratuba, a atleta Cristiane Silva da Costa, 38 anos, que hoje mora e joga pelo time de Pinhais, diz que é emocionante voltar para Guaratuba com o basquete em cadeira de rodas. Segundo a atleta, a acessibilidade da cidade está bem melhor que antes e é muito importante essa preocupação do prefeito, “porque a gente se sente importante sabendo que as pessoas que não precisam dessa acessibilidade se importam com quem precisa”, ressalta a atleta.

Cristiane Silva da Costa fez uma apresentação de ballet no encerramento. As alunas do Projeto de Ballet, da professora Patrícia Kloster Bassil, também brindaram a abertura com belíssimas apresentações.

Resultado do campeonato – Divisão A

Campeão: Maringá – Kings/UMPM/UEM

Vice-campeão: Pinhais ADAPP/Pinhais

3º Lugar: Foz do Iguaçu UDF/Harpia da Fronteira

Com informações da Prefeitura de Guaratuba

https://www.correiodolitoral.com/24451/8-cidades-disputaram-basquete-em-cadeiras-de-rodas-em-guaratuba

Mais Artigos...