Sidebar

19
Sex, Abr

A presença de importantes instituições de pesquisa confere ainda mais prestígio e credibilidade ao Safratec Cocamar 2018, principal evento técnico regional do agronegócio, de 24 a 25 de janeiro na Unidade de Difusão de Tecnologias (UDT) da cooperativa em Floresta, região de Maringá (PR). O foco é oferecer soluções para o aumento da produtividade das lavouras.

Embrapa - Tradicional parceira da Cocamar em realizações técnicas, a Embrapa Soja, sediada em Londrina, designou especialistas para acompanharem as atividades em três protocolos: as Estações Manejo de Solo, Manejo de Nematoides e Inoculação.

Simulador de chuva - Na primeira, os pesquisadores em manejo de solo Júlio Franchini, Henrique Debiasi, Osmar Conte e Alvadi Balbinot, apresentarão os efeitos de um simulador de chuva, verificando o nível de infiltração de água na superfície em função do tipo de manejo adotado. Eles irão falar aos produtores, também, sobre o Diagnóstico Rápido de Estrutura do Solo (Dres), uma ferramenta desenvolvida pela própria instituição para agilizar a amostragem do solo. Por fim, haverá uma trincheira com informações a respeito da compactação, problema que inibe a produtividade na agricultura.

Identificação de nematoides - Na Estação Manejo de Nematoides, o nematologista Waldir Dias tratará junto aos produtores de formas de identificação e manejo dos principais nematoides na cultura da soja, explicando como algumas espécies de plantas são utilizadas como opções nesse manejo.

Inoculação - Por fim, na Estação Inoculação, o especialista Marco Nogueira apresentará resultados de inoculação e co-inoculação em soja, bem como as opções operacionais para inoculação, demonstração de plantas de soja com inoculação e co-inoculação em soja e também em milho.

Iapar - Representando o Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), também com sede em Londrina, o pesquisador Sérgio José Alves fará uma abordagem sobre espécies forrageiras para o Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF), além de prestar orientações a respeito de nutrição e sanidade animal, qualidade de carne, cerca elétrica e o próprio Sistema ILPF.

Parceiras - Também entre as principais instituições parceiras da Cocamar, a Universidade Estadual de Maringá (UEM), com os especialistas Rubens Silvério, Denis Biffe e Fabiano Rios, do Núcleo de Estudos Avançados em Ciência das Plantas Daninhas, participa da Estação Herbicidas. Nesse espaço, serão abordados os temas manejo do milho RR “tiguera” em pré e pós-emergência e manejo de capim amargoso em pré-emergência. (Imprensa Cocamar)

SERVIÇO

Safratec 2018

De 24 a 25 de janeiro, a partir das 8h

Unidade de Difusão de Tecnologias (UDT) da Cocamar em Floresta, ao lado da PR-317

http://www.paranacooperativo.coop.br/ppc/index.php/sistema-ocepar/comunicacao/2011-12-07-11-06-29/ultimas-noticias/116246-cocamar-instituicoes-participam-de-varios-protocolos-no-safratec-2018

O governo do Paraná confirmou nesta segunda-feira (5) o pagamento do salário dos servidores de todas as universidades estaduais, inclusive da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Nesta manhã, os servidores desta instituição anunciaram greve, já que não haviam recebido. A universidade era a única que não havia enviado os documentos para a adesão ao sistema de controle de folha de pagamento do governo estadual, o Meta-4, logo os salários foram retidos.

Para o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino de Maringá (Sinteemar), José Maria Marques, com o pagamento dos funcionários será feita uma assembleia nesta terça-feira (6) para oficializar o fim da greve. “A única pauta era o recebimento dos salários. Depositando o pagamento dos nossos servidores, nós colocamos fim ao movimento de greve amanhã mesmo”, comenta. O presidente além disso disse que o sindicato segue contra a adesão ao sistema de controle de folha do governo do estado. “Continuamos lutando contra o Meta-4 e pela reposição salarial que não tivemos desde 2016. Vencemos a briga mas não a guerra, e vamos continuar a guerra com esse governo que não tem compromisso com o ensino fundamental, médio e superior”.

Em nota, o governo do estado disse que a UEM enviou nesta segunda-feira (5) o ofício assinado pelo reitor Mauro Baesso, informando a Caixa Econômica Federal que o encaminhamento será feito pelo estado, por meio do sistema único de recursos humanos e Secretaria da Fazenda. Por isso o pagamento aos servidores da UEM foi liberado além disso hoje.

O governo além disso reitera que os sindicatos têm autonomia para a tomada de decisões referentes à categoria, no entanto a Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti) não foi comunicada oficialmente sobre a paralisação desta segunda-feira. A secretaria igualmente entende que o diálogo entre as partes deve prevalecer para que não haja prejuízos à comunidade acadêmica.

além disso segundo a nota, “a partir de agora, o estado, por meio do Sistema Único de RH e da Secretaria da Fazenda, será o responsável por encaminhar os documentos de todas as universidades estaduais para a Caixa Econômica Federal, para o pagamento dos salários dos servidores”.

O reitor da UEM, Mauro Baesso, afirmou que o que estava bloqueando o pagamento dos servidores era o ofício que autorizava a Caixa a transferir o recurso da conta da UEM para a conta dos servidores. Segundo Baesso, o Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi) é um sistema centralizado que, por lei, tem de ser utilizado desta maneira. “O programa calcula automaticamente e gera a folha. Se o servidor precisa fazer hora extra, ele tem o número de horas. Nós temos o nosso software, ele gera essas condições, gera o programa que transmite já na linguagem computacional que o novo Siafi lê”, comenta.

A documentação enviada, logo, não tem a ver com a adesão ao Meta-4. em consonância com Baesso, se a documentação fosse para o programa, o procedimento levaria de três a cinco meses para ser concluído. “São mais de 300 planilhas com toda a vida funcional dos servidores, como se fosse um outro sistema de gestão de pessoas, e isso [o Meta-4] é um processo demorado se for feito mediante uma decisão judicial, porque a UEM além disso está discutindo isso na Justiça”.

Sobre a possibilidade da UEM sofrer processo por improbidade administrativa, a assessoria da Procuradoria Geral do Estado comentou que “todos os procedimentos envolvendo o Meta-4 estão na mão da Seti” e que “os devidos encaminhamentos serão tomados”.

UEL igualmente teve greve “relâmpago” após retenção de salários

Já a Universidade Estadual de Londrina (UEL), em caso semelhante ao ocorrido na UEM, chegou a aprovar greve dos servidores no início de quinta-feira (1º) devido ao não recebimento de salário dos servidores. No entanto, nesta segunda-feira, feito o pagamento, a greve foi suspensa. “Nós tínhamos o indicativo mas o governo pagou o salário dos servidores e então não sairemos em greve. A nossa reitora encaminhou os documentos exigidos para o Meta4 e o governo efetuou o pagamento”, comenta o presidente do sindicato dos servidores da UEL, Assuel, Adão Brasilino.

https://boainformacao.com.br/2018/02/salarios-sao-pagos-mas-queda-de-braco-entre-governo-richa-e-uem-segue/

Com a folha de pagamento em dia, a greve pode ser encerrada nesta terça-feira

Foto: Andye Iore/Gazeta do Povo/Arquivo

O Governo do Paraná liberou no final da tarde de hoje (5) o pagamento dos salários referentes ao mês de janeiro dos servidores da Universidade Estadual de Maringá (UEM), no norte do Paraná. Com o pagamento, a greve geral pode ser encerrada nesta terça-feira (6).

O reitor da universidade, Mauro Baesso, assinou o documento que autoriza que o governo gerencie o pagamento dos servidores através do Sistema Único de Recursos Humanos e Secretaria da Fazenda. Com o documento assinado, o Governo entende que a UEM aderiu ao Meta4, porém, segundo a assessoria de imprensa da instituição, o ofício não implica na adesão ao sistema.

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino de Maringá (Sinteemar), que representa 80% dos servidores da instituição, os salários começaram a ser depositados na tarde desta segunda.

Uma assembleia foi marcada para as 8h desta terça-feira (6), no Restaurante Universitário da UEM, que pode decidir pelo fim da greve, já que o único item da pauta da greve era o pagamento dos salários dos servidores.

(Com informações do G1)

https://www.diario24h.com/parana/maringa/governo-libera-pagamento-de-servidores-da-uem/

Greve é resposta dos servidores ao não pagamento dos salários de janeiro por parte do governo do Estado, que quer que a universidade adira ao Meta-4

Em assembleia extraordinária realizada na tarde desta quinta-feira (1º), os servidores da Universidade Estadual de Maringá (UEM), no norte do Paraná, decidiram deflagrar greve geral a partir da próxima segunda-feira (5) caso o pagamento dos salários não seja efetuado.

A decisão, que teve apenas três votos contrários, estabeleceu o prazo do dia 5 para cumprir exigência legal. Na segunda, duas assembleias estão marcadas para confirmar a deflagração da greve: uma às 8 horas, no Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino de Maringá (Sinteemar), e outra às 14 horas, no auditório do Hospital Universitário (HU).

Caso a greve seja ratificada, as matrículas dos alunos aprovados no vestibular de verão/2017 podem ficar comprometidas, bem como as solenidades de colação de grau, abertura dos portões, blocos e salas de aula.

ESTADO versus UEM

Em notícia divulgada no site da Agência Estadual de Notícias, o governo do Paraná afirma que “a reitoria da Universidade Estadual de Maringá (UEM) ainda não autorizou a Secretaria da Administração a transferir os recursos da folha de pagamentos dos servidores da instituição para a Caixa Econômica Federal. Para liberar a operação, o reitor precisa encaminhar um ofício padrão ao Estado, assim como já fizeram as demais universidades estaduais. Em razão disso, ainda não foi possível depositar o pagamento de janeiro dos funcionários da UEM”.

Uma nota de repúdio publicada no site da UEM, o reitor Mauro Luciano Baesso declara que “a reitoria enviou hoje (1º, às 15h30mim) o Ofício para a Caixa Econômica Federal autorizando o processamento do arquivo da Folha de pagamento gerado pela CELEPAR. O texto deste ofício foi integralmente aprovado pela assessoria jurídica e pela gerência da Caixa Econômica Federal (…). Ocorre que o Estado, para realizar a transferência de recursos, está coagindo o reitor a assinar um ofício com um texto em que a Universidade Estadual de Maringá assume expressamente a obrigação de integrar o Sistema RH Meta 4“.

https://www.diario24h.com/parana/maringa/servidores-da-uem-deflagram-greve-geral-partir-de-segunda-feira/

Em nota de esclarecimento, universidade afirma que, “em nossa luta em favor da Autonomia Universitária, nos recusamos insistentemente em aderir ao Meta-4”.

Em nota de esclarecimento divulgada nesta quarta-feira (31), a Universidade Estadual de Maringá (UEM), no norte do Paraná, esclareceu que não enviou os documentos necessários para aderir ao Meta-4, sistema informatizado de gestão de pessoal para controlar a folha de pagamento de servidores.

A nota afirma que, “em nossa luta em favor da Autonomia Universitária, nos recusamos insistentemente em aderir ao Meta-4”, e que “a UEM está discutindo judicialmente a inconstitucionalidade da determinação governamental de sua inclusão no sistema”.

A universidade informou que ensejou “apenas a possibilidade de rodar a folha de pagamento do mês de janeiro no novo SIAF, que é diverso do Sistema RH Meta-4. O novo SIAF é o sistema que permite o pagamento de todos os credores do Estado, enquanto o Sistema RH Meta-4 fornece para o SIAF os dados relativos à folha do funcionalismo do Estado”.

Confira a nota na íntegra:

“Durante o ano de 2017, considerando a necessidade de atualização de rotinas financeiras e contábeis, o Estado contratou uma empresa para implementar um novo sistema de execução financeira, chamado de Novo SIAF, Sistema Integrado de Administração Financeira. O cronograma inicial de treinamento dentro do Novo SIAF, previsto para outubro de 2017, não foi cumprido em função de atrasos na finalização do Sistema, o que ocasionou uma demora no treinamento dos nossos Servidores da execução financeira da UEM.

Dentro desse cenário, em 26 de janeiro de 2018, após as 17hs, a Secretaria de Estado da Administração e da Previdência solicitou que fossem preenchidas algumas planilhas que viabilizassem o pagamento do salário no mês de janeiro, considerando a condição da Universidade Estadual de Maringá fora do Meta 4. Inclusive, as planilhas estavam acompanhadas do título, “CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS ÓRGÃOS QUE NÃO ESTÃO NO META 4” (grifo nosso). Uma vez avaliadas as Planilhas, os técnicos começaram a estudar os dados para compô-las.

Antes do envio destes dados, a equipe técnica da UEM concluiu que eles não ensejariam a inclusão da UEM no Sistema RH Meta 4, mas apenas a possibilidade de rodar a folha de pagamento do mês de janeiro no novo SIAF, que é diverso do Sistema RH Meta 4. O novo SIAF é o sistema que permite o pagamento de todos os credores do Estado, enquanto o Sistema RH Meta 4 fornece para o SIAF os dados relativos à folha do funcionalismo do Estado.

Ademais, a UEM está discutindo judicialmente a inconstitucionalidade da determinação governamental de sua inclusão no Sistema RH Meta 4.

Tal discussão está sob análise do Ministro Luis Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal.

Além disso, hoje a UEM protocolizou um Pedido de suspensão de Execução de Liminar, com o fim de obter a suspensão da liminar concedida pela 3ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba que nos determinou a integração ao Meta 4.

Nesse contexto, informamos que em nenhum momento a Universidade Estadual de Maringá encaminhou os Dossiês Funcionais exigidos para o ingresso da Instituição no Meta4, cuja decisão estabelecida em Conselho Universitário foi contrária. Reiteramos que as planilhas não contêm todos os dados da vida funcional dos Servidores da UEM conforme exigiam os Dossiês.

Em nossa luta em favor da Autonomia Universitária, nos recusamos insistentemente em aderir ao Meta 4.”

https://www.diario24h.com/parana/maringa/uem-afirma-que-nao-enviou-documentos-para-aderir-ao-meta-4/

Mais Artigos...