Sidebar

11
Dom, Abr

Em reunião realizada no último dia 12 de março, no Hospital Universitário Regional de Maringá (HUM), a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), por meio dos membros do Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública (COE), confirmou a efetividade do uso dos capacetes de oxigenação desenvolvidos pela Universidade Estadual de Maringá (UEM).

“Os capacetes têm demonstrado excelentes resultados no enfrentamento da Covid-19. Pacientes com quadros de insuficiência respiratória de média gravidade, com saturação de oxigênio em torno de 70%, obtiveram sensível melhora clínica e da saturação periférica, com aumento de até 92% de saturação”, explica o médico Edson Arpini Miguel, um dos responsáveis pelo projeto.

Os aparelhos asseguram mais conforto aos pacientes, contribuindo para a recuperação em situações de isolamento de coorte (separação de doentes da Covid-19 em uma mesma enfermaria ou área), com redução significativa do tempo de internação e de gastos na saúde.

Na época em que foram lançados, em julho de 2020, para uso nos pacientes do hospital universitário, a superintendente do HUM, Elisabete Mitiko Kobayashi, sinalizou que, diante do momento crítico da pandemia, com a elevação expressiva do número de casos e a quase ocupação total dos leitos, naquele momento, “o dispositivo ajudaria a implementar a recuperação dos pacientes e o tempo de tratamento, proporcionando uma concentração maior de oxigênio disponível para as vítimas de Covid-19 internadas”.

Os equipamentos foram desenvolvidos sob uma perspectiva interdisciplinar e multiprofissional, que aponta para várias linhas de pesquisas, envolvendo profissionais e pesquisadores das áreas de Enfermagem, Fisioterapia e Ciências Biológicas. Com financiamento da Associação dos Amigos do Hospital Universitário (AAHU), os capacetes foram fabricados a um valor inferior aos preços praticados pelo mercado.

 

Fonte: Agência Estadual de Notícias do Paraná

 

UEM cria memorial para pessoas que morreram por Covid-19

A UEM (Universidade Estadual de Maringá) acaba de lançar Memorial para pessoas que morreram por Covid-19 em tributo aos servidores, ex-servidores e alunos que vieram a óbito pela infecção.

Em Maringá, o primeiro caso da doença foi confirmado no dia 18 de março de 2020. Uma mulher de 46 anos, recém-chegada da Espanha apresentou os sintomas da doença. Um ano depois, até sexta-feira (19), de acordo com a secretaria de Saúde, a Cidade Canção registrou 36.176 casos positivos da Covid-19 e 635 óbitos pela doença.

Destas pessoas, 10 atuaram na UEM contribuindo com a divulgação de conhecimento. Eram professores, vigilantes patrimoniais, uma técnica em laboratórios, um técnico de Assuntos Educacionais e uma Auxiliar Operacional, atuantes e aposentados; além de um aluno do 4º ano do curso de Ciências Contábeis.

A primeira perda ligada à UEM foi a morte da psicóloga aposentada Maria Lúcia Dantas, 70, no dia 29 de julho de 2020. Ela atuou como Coordenadora do Ambulatório Médico e de Enfermagem do Hospital Universitário Regional de Maringá. Antes, havia assumido a Diretoria de Assuntos Comunitários, foi chefe do Núcleo de Psicologia Aplicada do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes e Psicóloga da Pró-Reitoria de Recursos Humanos e Assuntos Comunitários.

"Nenhuma morte deve ser contada apenas como estatística. Tendo consciência disso, a UEM construiu um memorial virtual, que dignifica as pessoas que perderam a vida pela doença. É uma homenagem aos servidores, ex-servidores e alunos. Estes estarão simbolizando todas as perdas que tivemos neste longo período de pandemia. A Universidade demonstra a sua solidariedade e respeito às famílias”, exterioriza Julio Damasceno, reitor da UEM.

 

A Biblioteca Central da Universidade Estadual de Maringá (UEM) recebeu na manhã de quinta-feira (25) a doação de cerca de 2030 livros de Direito. As literaturas foram cedidas pela egressa da pós-graduação e de cursos de extensão em direito da universidade, Gianna Marques Zamberlan, e pertenciam ao tio, o advogado aposentado Ildo Guareschi, que atuou em Rondonópolis, Mato Grosso.

Gianna Zamberlan, que é advogada e reside em Cianorte, recebeu um caminhão cheio de livros catalogados e a sua preocupação era mantê-los conservados, já que por falta de espaço eles estavam sendo mantidos em caixas, em uma garagem. “Então pensei: porque não fazer um acordo com a universidade onde estudei, doando os livros e, quando precisasse eles me oportunizariam o acesso? Assim, proporcionaria aos estudantes o contato com essas obras, o que é muito importante pois diversas já não estão disponíveis para aquisição no mercado; além de ter um local adequado para os livros ficarem em questão de conservação - o que era a minha maior preocupação; e também teria acesso quando precisasse”, justifica Zamberlan.

Agora o acervo do centro de Ciências Sociais Aplicadas (CSA) na BCE conta com 56.486 exemplares. “Os livros são de processo civil, tratado de direito privado, enciclopédia de direito, dicionários jurídicos, coleções de clássicos como Pontes de Miranda, revista de jurisprudência, códigos comentados, legislação esparsa, direito penal, entre outros. Todos estão em bom estado de conservação”, explica Ademir Henrique dos Santos, diretor da BCE.

Após a conclusão da inserção na base de dados do Sistema de Bibliotecas (SIB) e preparação física para o empréstimo, os livros serão encaminhados à Biblioteca Setorial do Direito, onde ficarão à disposição da comunidade.

Gianna Zamberlan visitou a BCE na manhã desta terça-feira (24) para assinatura do termo de doação. Também estiveram presentes o vice-reitor Ricardo Dias e a diretora do CSA, Gisele Mendes.

Como doar?

Para aquelas pessoas que tenham livros e deseja doá-los, devem entrar no site da BCE, preencher o formulário lista de materiais para doação e enviar para o e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

A lista de materiais a serem doados serão avaliados pela Divisão de Formação e Desenvolvimento de Coleção (FDE) de acordo Política de Desenvolvimento de Coleções do SIB da UEM.

Após a pré-seleção será enviado um e-mail para o doador com a lista contendo os títulos que estiverem de acordo com as disciplinas dos cursos ofertados e que poderão vir a ser incorporados ao acervo. Neste e-mail também será informado os dias e horários em que o doador poderá levar as obras ao Setor de Aquisição da Biblioteca, onde também deverá assinar o termo de doação. 

 

(Comunicação UEM)

A Universidade Estadual de Maringá (UEM) anunciou as novas datas das provas do Vestibular Inverno/Verão 2020. A seleção foi transferida para 23 e 24 de maio por causa do agravamento da pandemia de Covid-19. 

Crédito da Foto: Mallu Andrade/UEM

 

Confira os locais de prova

O ensalamento já tinha sido divulgado pela universidade e as provas estavam previstas para os dias 21 e 22 de março, que poderia ser o auge da pandemia, o que resultou na mudança de cronograma.

Com a alteração de calendário, o resultado do Vestibular da UEM passou de 5 de maio para 15 de junho. 

 

Calendário do Vestibular

Provas

Quando eram: 21 e 22 de março

Quando serão: 23 e 24 de maio

Resultado

Quando era: 5 de maio

Quando será: 15 de junho

Como serão as provas?

As provas serão divididas assim:

1º dia: Redação + Prova de Conhecimentos Gerais

2º dia: Prova de Língua Portuguesa e Literaturas em Língua Portuguesa, Língua Estrangeira e Conhecimentos Específicos

 

Concorrência

A UEM registrou 14.272 inscritos no Vestibular, sendo 11.543 para ampla concorrência e 2.729 por cotas. Veja os cursos mais disputados:

Medicina (Maringá) - 271,52 por vaga

Odontologia (Maringá) - 25,21 por vaga

Psicologia (Maringá) - 23,05 por vaga

A oferta do Vestibular é de 2.989 vagas no Vestibular Unificado 2020, já que a seleção soma as oportunidades dos processos seletivos de Inverno e Verão. A universidade reserva 20% para estudantes de baixa renda e 20% para negros. 

 

Mais informações pelo site da UEM e no edital.

A UEM (Universidade Estadual de Maringá) anunciou novo adiamento no Vestibular 2020 Inverno/Verão, com a previsão de aplicar o concurso entre os dias 23 e 24 de maio.

O Vestibular 2020 já havia sido adiado em outras duas ocasiões pela UEM.

A primeira data da realização do concurso definida foi 7 e 8 de fevereiro, mas foi adiada devido a aplicação das provas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).

A UEM decidiu então marcar a aplicação das provas entre os dias 21 e 22 de março, só que o recente crescimento nos casos e internações pela Covid-19 no Paraná causaram novo adiamento.

Caso as provas sejam aplicadas nos dias 23 e 24 de maio, a UEM planeja divulgar o resultado do Vestibular 2020 em 15 de junho.

Mais Artigos...