Sidebar

22
Seg, Abr

Onze cursos de pós-graduação da Universidade Estadual de Maringá (UEM) subiram de conceito na avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). A lista dos cursos foi divulgada na tarde de terça-feira (10) e deixou a instituição à frente da média nacional.

A UEM obteve registro de crescimento de 30% na avaliação trienal, conforme a Capes. Já as outras universidades brasileiras avaliadas ficaram na casa dos 23%. A avaliação indicou ainda que 69% dos programas de pós-graduação da UEM mantiveram o conceito de 2010. Dentro dessa marca, 23% dos cursos aumentaram a nota, enquanto 8% tiveram queda.

Agronomia subiu de 5 para 6. Biologia Celular, Educação, Ciências Farmacêuticas, Geografia e Letras saíram de 4 e foram para 5. Os programas de Administração, Engenharia Urbana, História, Odontologia Integrada e Psicologia, que marcavam conceito 3, foram elevados para 4. Já o programa de pós-graduação em Zootecnia foi rebaixado de 6 para 5.

Em nota, a UEM informou que um dos motivos para a queda de Zootecnia foi a avaliação ruim atribuída a um dos periódicos da área, no qual boa parte da produção científica do programa era publicada.

Critérios

Entre os critérios da avaliação estão a infraestrutura, a proposta do programa, análise do corpo docente e discente e produção intelectual. Durante a avaliação trienal de 2013, referente ao período de 2010 a 2012, foram analisados 3.337 programas de pós-graduação, que compreendem 5.082 cursos, sendo 2.893 de mestrado, 1.792 de doutorado e 397 de mestrado profissional.

O processo foi realizado durante o período de 30 de setembro a 25 de outubro, quando cerca de 1.200 consultores estiveram reunidos na Capes, distribuídos nas comissões de área de avaliação.

http://www.gazetamaringa.com.br/maringa/conteudo.phtml?id=1432538 

A Universidade Estadual de Maringá (UEM) divulgou neste domingo (8) os gabaritos das provas de conhecimentos gerais, do primeiro dia do Vestibular de Verão. O concurso começou às 9 horas e foi encerrado às 13 horas.

Clique aqui e confira no site da UEM o gabarito da prova de conhecimentos gerais.

Para o presidente da Comissão Central do Vestibular Unificado (CVU), Emerson Arnaut de Toledo, o primeiro dia de provas foi considerado tranquilo. “Foi tudo ordeiro, não registramos nada de anormal.”

Dos 15.413 candidatos inscritos no Vestibular de Verão da UEM, 2.354 não compareceram para fazer a prova de conhecimentos gerais, aplicada neste domingo (8), em Maringá, Cianorte, Umuarama, Cidade Gaúcha, Goioerê e Ivaiporã. O número equivale a 15,25% do total.

Provas seguem até terça-feira

Na segunda-feira (9), as provas aplicadas serão de língua portuguesa, estrangeira, literatura e redação. Na terça-feira (10), o último dia do concurso, os candidatos serão cobrados por avaliações em conhecimentos específicos.

Os horários são sempre os mesmos: os portões abrem às 8h30 e fecham às 8h50. Os candidatos começam as avaliações às 9 horas e seguem até 13 horas.

http://www.gazetamaringa.com.br/maringa/conteudo.phtml?tl=1&id=1431672&tit=UEM-divulga-gabarito-do-primeiro-dia-do-Vestibular-de-Verao 

Com mais uma edição do vestibular da Universidade Estadual de Maringá (UEM), a venda de bebidas alcoólicas volta a ficar proibida na região próxima ao campus. A Lei Seca começa a partir das 20 horas desta sexta-feira (6). A Lei Municipal 8.510/2009 proíbe a venda de bebidas alcoólicas durante a realização das provas, que começam no domingo (8).

De acordo com a lei, a região da UEM que será fiscalizada corresponde ao quadrilátero formado pela Avenida Colombo e Rua Vitória (na Vila Esperança) e pela Avenida Morangueira e Rua Quintino Bocaiúva (na Zona 7). No entanto, de acordo com o setor de fiscalização da Prefeitura de Maringá, haverá fiscalização, também, nas proximidades do Centro Universitário de Maringá (UniCesumar) e Pontifícia Universidade Católica (PUC – sede Maringá), que servirão de locais de provas do vestibular. A proibição do consumo de bebida segue até a 1 hora de quarta-feira (11).

Os donos de bares, lanchonetes e restaurantes que descumprirem a lei podem ser multados em R$ 5 mil e os vendedores ambulantes em R$ 500. Segundo o gerente de fiscalização, Rubens Sebastião Marin, em caso de flagrante, a mercadoria será apreendida e os consumidores em vias públicas terão o produto apreendido e descartado.

http://www.gazetamaringa.com.br/maringa/conteudo.phtml?tl=1&id=1431197&tit=Lei-Seca-do-vestibular-da-UEM-comeca-nesta-sexta 

A conferência pública promovida para propor a supressão de diretrizes viárias em Maringá terminou em bate boca na manhã desta quinta-feira (28). Durante a reunião no Auditório Hélio Moreira - na Prefeitura – o secretário de Assuntos Comunitários, Miguel Grillo, chegou a discutir com alguns servidores da Câmara.

No encontro, seria abordada a situação de algumas ruas e avenidas projetadas que, no entendimento do Conselho Municipal de Planejamento, deveriam ser suprimidas do Plano Diretor. No entanto, um grupo ligado à Universidade Estadual de Maringá (UEM) e a organizações não governamentais também queria colocar em discussão a supressão de vias que cortam o campus da UEM.

Segundo a coordenadora do Observatório das Metrópoles e professora da UEM, Ana Lúcia Rodrigues, a plenária aprovou a apresentação das propostas que não estavam na pauta, o que teria sido questionado por alguns representantes da Prefeitura, iniciando os desentendimentos. O Município alega que é preciso que o assunto passe pelo Conselho Municipal de Planejamento. “O regimento interno permitia que fizesse essas mudanças. O presidente colocou em votação e a plenária autorizou a colocar a proposta de supressão das vias que passam pela UEM”, afirmou Ana Lúcia.

Durante o bate boca, o presidente da conferência e secretário de Planejamento, Laércio Barbão, cancelou a audiência, alegando que houve um erro no decreto de convocação. No entanto, alguns delegados entenderam que o cancelamento foi ilegal e retomaram os trabalhos elegendo nova mesa diretora. Na ocasião foram aprovadas tanto as propostas da Prefeitura quanto as apresentadas pelos delegados.

“Houve a vacância do presidente, mas a plenária era soberana”, ressaltou Ana Lúcia. O secretário de Planejamento foi procurado para comentar a conferência, mas não atendeu às ligações. A assessoria da Prefeitura de Maringá também não comentou o caso.

Servidor alega que foi agredido por secretário

Após a confusão, o servidor do legislativo José Edvaldo Sanches afirmou ter sido agredido por Miguel Grillo com um empurrão durante a conferência. Em entrevista à Gazeta Maringá, ele informou que estava questionando o posicionamento da Prefeitura e de Grillo. “[Na conferência] As pessoas têm que opinar, mas ele não aceita”, afirmou.

Outro funcionário da Câmara que se queixou do secretário foi Gelinton Batista. Os dois afirmaram que vão entrar com uma representação contra Grillo. “Ele me xingou, mandou calar a boca, o pessoal precisou conter ele. Entendo que não é uma atitude correta de um agente público.”

A reportagem não conseguiu localizar Grillo para comentar a acusação feita pelo servidor da Câmara. Para a rádio CBN Maringá, ele negou que tenha agredido Sanches. Disse que foi provocado verbalmente, mas que não reagiu.

http://www.gazetamaringa.com.br/maringa/conteudo.phtml?tl=1&id=1429153&tit=Conferencia-publica-termina-em-bate-boca-na-Prefeitura 

Mais Artigos...