Sidebar

21
Dom, Jul

Paraná On-line
Tools

O time de basquete feminino da Universidade Estadual de Maringá (UEM) realizou uma grande partida na manhã desta sexta-feira (27) em Maceió e, de forma invicta, conquistou o título das Olimpíadas Universitárias Brasileiras. A vitória por 54 a 40 veio contra o time da Faculdade de Sinop (FASIPE/MT), e de quebra o Paraná também garantiu presença na Divisão Especial do voleibol feminino na próxima Olimpíada Universitária.

Na partida final o Paraná dominou as ações em quadra desde o início e não deu espaço para a reação das mato-grossenses. Apesar disso, as duas equipes estavam visivelmente nervosas e erraram muitos lances durante o jogo, o que resultou no placar baixo ao final da partida.

"Foi surpreendente e maravilhoso chegar a este título, depois de todas as dificuldades que tivemos para treinar e acertar o time para esta competição", disse o técnico Marcelo Villas Boas. Segundo ele, a primeira pretensão do time era passar da primeira fase e tentar se colocar bem nos mata-matas. "Mas as coisas foram acontecendo e eu só tenho que agradecer a paciências que as meninas tiveram comigo", afirmou Villas Boas.

Para o técnico, o título foi conquistado graças a uma sucessão de acertos. "As meninas tiveram disciplina tática, muita dedicação e força de vontade, o time foi guerreiro mesmo, e isso fez toda a diferença", disse. Ele destacou ainda o maior prêmio que a equipe levará para casa. "Mais do que vencer e colocar o Paraná na Divisão Especial, o que importa mesmo é a maturidade que estas meninas alcançaram durante a disputa", concluiu.

Dever cumprido

Para a ala Verônica Thays Pradella, grande destaque do time nas Olimpíadas Universitárias, a sensação após a conquista do título é "ótima". "Sinto que o nosso dever foi cumprido, é extraordinário conseguir corresponder a toda a expectativa que colocaram em cima do time, e fico mais feliz ainda por ter conseguido ajudar o time a vencer uma competição desta importância justamente no primeiro ano que participo das Olimpíadas Universitárias", afirmou a jogadora de apenas 20 anos.

Verônica, aliás, foi responsável por ajudar o time na hora em que ele mais precisou. Depois de um erro da organização do evento na classificação da primeira fase, o time da UEM acabou jogando metade de uma partida inválida contra o time da Bahia. Constatado o erro, as equipes deixaram a quadra no final da manhã e tiveram que disputar novamente, desta vez contra o adversário certo, a vaga nas semifinais.

"Nesse jogo a Verônica foi espetacular, não se intimidou com o adversário e nem com o cansaço da manhã e acabou sendo a cestinha da partida, com 30 pontos. Isso foi muito importante para dar moral ao time", disse o técnico Marcelo Villas Boas. Meio tímida, Verônica ouviu a frase do técnico e se limitou apenas a um sorriso. "Se ele está dizendo, eu concordo", completou a garota.

A atleta, que pratica o esporte há dez anos, diz que pretende continuar jogando basquete "enquanto eu agüentar e puder conciliar com os estudos". Com segurança de veterana, ela diz que "o esporte abre muitas portas e ensina para a vida, por isso não pretendo parar tão cedo".

Em dez anos de quadra, a atleta já disputou os principais campeonatos realizados pelo Governo do Paraná, como Jogos da Juventude (Jojup’s), Jogos Abertos (JAP’s) e Jogos Colegiais (Jocop’s), ganhando diversos títulos. No ano passado, Verônica participou pela primeira vez de uma competição nacional, os Jogos Abertos Brasileiros (JAB’s), em Praia Grande (SP), e neste ano estreou nas Olimpíadas Universitárias