Gazeta do Povo
Tools

Todas as instituições universitárias do Paraná suspenderam o calendário acadêmico. Vestibulares também foram suspensos na UEL e UEM


A Universidade Estadual de Londrina (UEL) e a Universidade Estadual de Maringá (UEM) foram as duas últimas a suspender seus calendários acadêmicos, nesta segunda-feira (25). Todas as demais universidades já tinham, ao longo do mês de maio, tomado decisão de fazer seus cronogramas iniciais deixarem de valer. No caso da UEL e da UEM, os vestibulares também estão com os prazos prévios suspensos. Já sobre as demais (UEPG, Uenp, Unespar, Unicentro e Unioeste), ainda não há informações sobre suspensão das seleções para ingresso de alunos.

No caso da UEL, a votação foi feita em uma reunião do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) da universidade. Foram 31 votos a favor e 3 contra pela suspensão do calendário acadêmico. A reunião durou quatro horas, e foi realizada em um auditório. A suspensão do vestibular começou a ser discutida por volta das 18h. A reitora Berenice Quinzani Jordão esclareceu que, até então, a única data definida pelo conselho era a do período de inscrição – que seria de 10 de agosto a 10 de setembro –, e que o cronograma do concurso ainda não estava definido pela Comissão Permanente de Seleção (COPESE) da Coordenadoria de Processos Seletivos (Cops).


Foi colocada em votação a suspensão da data pré-estabelecida para as inscrições. Além disso, foi sugerido que após o final do movimento de greve, o CEPE deliberará sobre um novo período e o calendário efetivo do concurso. A proposta foi aprovada com 32 votos favoráveis e uma abstenção.

Após a votação desta segunda-feira na UEL, a Comissão de Ética do Comando de Mobilização da greve deve decidir os impactos da suspensão das aulas sobre os residentes dos cursos de Medicina e Odontologia. Caso os serviços prestados pelos alunos em residência no Hospital Universitário e na Clínica Odontológica sejam considerados essenciais, as atividades continuam, independentemente da greve.

Já na UEM, a decisão foi unânime pela suspensão do vestibular de inverno – com inscrições abertas – e de todo o calendário acadêmico (incluindo os quatro cursos à distância). Sandra Ferrari, presidente da Seção Sindical dos Docentes da UEM (Sesduem), explica que a decisão já era esperada. “É algo que já vinha sendo amadurecido. Foi optado pela a suspensão do calendário acadêmico e do vestibular para não ter prejuízos. Se alguém resolver dar aula, não se pode prejudicar o calendário de quem não está tendo aula.

 

http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/com-uel-e-uem-todas-as-universidades-estaduais-tem-calendarios-suspensos-2jqtkpqyexxyf01gp8jjpid3g