Gazeta do Povo
Tools

O jornal Folha de S.Paulo, com o objetivo de avaliar as universidades brasileiras, lançou, em 2012, em parceria com o Datafolha, o Ranking Universitário Folha (RUF). A primeira edição serviu como balizamento para a edição deste ano, que acaba de ser publicada. Desta vez, foram ouvidos 4.354 especialistas. Destes, 464 foram entrevistados e opinaram sobre os melhores cursos do país em suas respectivas áreas. Ao levantamento foram agregados também outros três indicadores: o porcentual de professores com doutorado, o porcentual com dedicação integral e a nota dos cursos de graduação do Enade/MEC.

No âmbito do RUF também foram feitas alterações nos pesos dos critérios entre a primeira e a segunda edição do ranking: a pesquisa acadêmica passou do peso 55 para 40; o ensino, de 20 para 30; a avaliação do mercado, de 20 para 18; a internacionalização, que não havia antes, teve peso 6; e a inovação passou do peso 5 para 4. Tal mudança permitiu que não somente universidades fossem avaliadas, como foi feito em 2012, mas também os cursos individuais oferecidos por universidades, centros universitários e faculdades.

Na avaliação por estado, o Paraná teve cinco universidades no ranking das 50 melhores, dentre 192 instituições analisadas. A Universidade Federal do Paraná (UFPR) ficou em 9.º lugar, com 90,10 pontos; a Universidade Estadual de Maringá (UEM) ficou em 22.º, com 80,93; a Universidade Estadual de Londrina (UEL), em 23.º, com 79,29; a Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), em 33.º, com 71,80; a Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), em 45.º, com 63,77; e a Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), em 46.º, com 63,59.

Uma novidade, nesta segunda edição do RUF, foi a avaliação de 30 carreiras com maior número de matriculados. Na UFPR, os cursos mais bem avaliados são os de Administração, Análise de Sistemas, Ciências Biológicas, Arquitetura e Urbanismo, Enfermagem, Direito, Educação Física, Farmácia, Geografia, Letras, Matemática, Odontologia e Serviço Social. Na UEL estão os de Educação Física e Medicina. Já a UEPG se destacou nos cursos de Jornalismo e Serviço Social.

As universidades paranaenses abrigam hoje mais de 120 mil estudantes de graduação, pós-graduação, cursos presenciais e a distância. São 305 cursos de graduação, 302 de especialização, 141 de mestrado e 52 de doutorado. No sistema atuam 7 mil docentes, 85% deles com mestrado e/ou doutorado.

Esse raio-x da educação superior no Paraná nos permite dizer que o bom desempenho de uma universidade está relacionado ao fomento à formação de professores e de especialistas, no amparo à pesquisa e no estímulo à inovação. E isso se faz com investimento pesado em infraestrutura e em recursos tecnológicos. Recentemente, conseguimos viabilizar, via emenda ao Orçamento da União, o valor de R$ 5,4 milhões para a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). É dinheiro para a construção de laboratórios e salas de aula sem esquecer do servidor público que ampara as atividades acadêmicas. Que os resultados apontados pelo RUF continuem a refletir o empenho dos paranaenses na qualidade da nossa educação.

Rubens Bueno é deputado federal (PPS-PR).

http://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/conteudo.phtml?tl=1&id=1413371&tit=A-educacao-superior-no-Parana-pela-lente-do-RUF