Sidebar

24
Dom, Jan

O Diário do Norte do Paraná
Tools

Com a aceitação do reitor Júlio Prates Filho de todas as propostas do movimento estudantil, os ocupantes da Reitoria da UEM decidiram ontem à noite, em assembleia, deixar o prédio até as 8h de hoje. O tempo extra de desocupação foi solicitado para limpeza e organização do prédio. Após a saída, está marcado um ato em comemoração.

Em conversa com os estudantes, a reitoria concordou com o prazo de desocupação, mas estudava, até o fechamento desta edição, acionar sua procuradoria jurídica para pedir a reintegração de posse. Segundo a assessoria de imprensa da UEM, essa possibilidade é apenas uma precaução, pois se os estudantes cumprirem o acordo, a medida será inócua.

A reunião de representantes do movimento com o secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti), Alípio Leal, na terça-feira, em Curitiba, gerou um documento com uma série de propostas por parte da reitoria e da Seti.

Na quarta-feira, o movimento elaborou uma contraproposta, que foi aceita integralmente por Prates Filho ontem de manhã. Segundo o reitor, sua resposta conta com o aval da Seti.

Entre as promessas feitas pela secretaria e por Prates Filho estão o cumprimento das principais reivindicações dos estudantes: compromisso de repor o corte de 38% das verbas de custeio das universidades estaduais, contratação de professores e funcionários e construção de uma nova unidade do RU, com disponibilidade de cardápio vegetariano.

No documento aceito pelo reitor, há prazos estabelecidos para o cumprimento das medidas. Em entrevista à reportagem de O Diário, no entanto, Prates Filho disse que os prazos são apenas uma referência. "Não devemos nos ater a datas", afirmou.

Divulgação

alt

Reunião ontem entre Prates Filho e estudantes terminou em acordo

"Vitória de todos"

Segundo o reitor, a vitória do movimento é também uma vitória da UEM, e ele conta com os alunos para continuar lutando por melhorias. "Não atendemos antes às reivindicações porque a universidade precisa de uma retaguarda", diz. Prates Filho afirma que sempre considerou as reivindicações justas, só não concordando com a forma do protesto.

De acordo com o reitor, ele nunca achou que teria de chamar forças policiais para lidar com os alunos. "Precisei de paciência, paciência e paciência. Sempre acreditei na negociação e no diálogo", diz. Ele ainda considera que a ocupação da reitoria não acelerou a resposta positiva para as reivindicações. "Já estávamos na iminência de conseguir muita dessas coisas. A luta deles é nossa luta."

Ontem à noite, o clima entre os membros do movimento era de festa, com abraços, música e rojões. O coordenador do Diretório Central dos Estudantes (DCE) Luís Alexandre Barbosa afirma que se surpreendeu com a velocidade da resposta da reitoria. "Esperávamos que teria de haver mais tempo de negociação, mas foi uma surpresa boa", diz.

Barbosa diz que acredita no cumprimento das promessas porque são medidas de que a universidade precisa. "O corte de R$ 2,9 milhões não era uma coisinha." Outro dos líderes do movimento, o estudante Phill Natal, afirma que, mesmo com a desocupação, a cobrança constante por melhorias continuará. "A gente se sente seguro, o movimento está muito forte", diz.

alt

 

http://maringa.odiario.com/maringa/noticia/481978/ocupacao-do-predio-da-reitoria-acaba-hoje-pela-manha/