Sidebar

12
Qui, Dez

Aos 34 ano, Thiago Paiva dos Santos foi nomeado juiz membro na classe advogado do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná. Foto: Assessoria de Imprensa

Foi nomeado juiz membro na classe advogado do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE/PR), na segunda-feira (2), Thiago Paiva dos Santos. O paulistano de Assis e ex-estudante da Universidade Estadual de Maringá (UEM) foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro por meio de decreto publicado na quarta-feira (27) passada. Aos 34 anos, Santos se tornou o mais jovem a tomar posse no cargo no Paraná.

O advogado chegou a Maringá nos anos 90, depois que o pai foi contratado por uma usina de açúcar da cidade. Ao ingressar na UEM, dedicou-se intensamente às atividades acadêmicas, como desenvolvimento de pesquisas e projetos da instituição.

Em entrevista ao GMC Online, o advogado destacou a participação como presidente do Centro Acadêmico Horácio Raccanello Filho (entidade que representa os estudantes do curso de Direito da universidade) e a execução do projeto “Direito em Debate” durante a gestão; foi membro titular Conselho de Administração (CAD) em 2006, membro suplente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEP) em 2005 e do Conselho Universitário (COU) em 2007.

Em 2013, tornou-se membro da Comissão de Direito Eleitoral da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seção Paraná, e da diretoria do Instituto Paranaense de Direito Eleitoral (Iprade).

Vaga no TRE/PR

Conforme explica Santos, para concorrerem a uma vaga dentro do TRE, os advogados precisam ser eleitos pelo Tribunal de Justiça de cada estado, que forma uma lista com três nomes e envia para a escolha do presidente da República.

Em eleição no dia 26 de agosto deste ano, o nome de Santos foi anunciado na lista tríplice após receber 74 votos. Em 27 de novembro, o presidente Jair Bolsonaro, então, decidiu por indicá-lo como membro efetivo do TRE/PR.

“Fico muito feliz com a eleição pelo Tribunal de Justiça e a nomeação pelo presidente da República. Assumir como juiz no Tribunal Regional Eleitoral do Paraná e trabalhar pelo Brasil e pela justiça, ao lado de pessoas que sempre admirei, é algo extraordinário em vida”, armou o recém-empossado.

Como prevê a Constituição Federal, o tribunal é composto por dois desembargadores do Tribunal de Justiça, dois juízes de Direito e dois advogados. Os mandatos são de dois anos.Além do cargo dentro do TRE/PR, Santos continuará exercendo a advocacia. Morando em Curitiba, atualmente, ele é sócio-fundador do Escritório Kozikoski, Paiva dos Santos & Bertoncini Advogados Associados.

Segundo destacou, o advogado que integra o TRE ca impedido, apenas, de atuar na área do direito eleitoral.

https://gmconline.com.br/noticias/parana/ex-uem-toma-posse-no-tribunal-regional-eleitoral-do-parana

Começa neste domingo, 8, o Vestibular de Verão 2019 da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Esta edição, que será realizada em dois dias, terá provas em Maringá e outras dez cidades do Estado As provas iniciam, irrevogavelmente, às 13h50, horário em que os portões se fecham e a entrada não é mais permitida. A orientação geral é que os candidatos cheguem aos locais de prova com, pelo menos, uma hora de antecedência.

A presidente da Comissão Central do Vestibular (CVU), Maria Raquel Marçal Natali, recomenda aos candidatos que confiram com antecedência onde farão as provas. Errar a localização ou perder o horário de entrada são problemas comuns em todos os concursos, segundo ela, e uma maneira de evitá-los é visitar o local de prova na véspera do vestibular, quando as salas já estão sendo etiquetadas.

Nos dois dias de exame, na entrada nas salas os estudantes devem apresentar documento original com foto, não podendo ser cópias digitais ou autenticadas. Além disso, cada candidato deve levar o próprio material, sendo canetas de cor azul com corpo transparente, lápis, lapiseiras e borrachas.

No domingo, a prova terá 40 questões objetivas de Conhecimentos Gerais, além da Redação.

Na segunda-feira, serão dez questões objetivas de Língua Portuguesa; cinco de Literaturas em Língua Portuguesa; cinco de Língua Estrangeira; e trinta de Conhecimentos Específicos, cujas disciplinas variam conforme o curso escolhido.

No sábado haverá plantão de véspera na CVU, no Bloco 28 do câmpus sede da UEM, para atender os candidatos que queiram informações e orientações. O atendimento será feito das 8 às 18 horas, com intervalo para almoço das 11h30 às 13h30.

Vagas e locais de prova

Com a oferta de mais de 70 cursos de graduação, a UEM abriu 1.519 vagas para este vestibular, entre as quais 287 reservadas para cotas sociais, que beneciam estudantes de baixa renda. As cotas para negros, aprovadas recentemente pela Universidade, passam a valer a partir dos concursos que serão realizados no próximo ano.

As provas deste concurso serão aplicadas das 13h50 às 19 horas em Maringá, Apucarana, Campo Mourão, Cascavel, Cianorte, Cidade Gaúcha, Curitiba, Goioerê, Ivaiporã, Paranavaí e Umuarama.

Concorrência

Medicina, Odontologia, Psicologia e Arquitetura e Urbanismo aparecem entre os cursos mais concorridos. No caso de Medicina, por exemplo, foram registrados 209,8 candidatos por vaga, com um total de 2.727 inscritos. Entre os cotistas são 154 candidatos por vaga, totalizando 462 inscritos. 

O resultado do Vestibular de Verão 2019 será divulgado no dia 17 de janeiro.

Foto: Assessoria/UEM

https://gmconline.com.br/noticias/cidade/vestibular-de-verao-da-uem-inicia-neste-domingo

A Seção Sindical da UEM, sindicato que reúne os professores da Universidade Estadual de Maringá, aprovou o indicativo de greve para a próxima segunda-feira (2). A decisão foi tomada nesta terça-feira (26), durante assembleia realizada em uma associação. Esta é a segunda entidade sindical que reúne servidores da UEM, a aprovar um indicativo. Na semana passada, foi o Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino de Maringá (Sinteemar).

O motivo é a proposta de Reforma da Previdência do Governo Estadual. A justificativa do governo é que tem havido rombos nas contas públicas, e que a Reforma da Previdência é uma forma de resolver essa questão. Os sindicatos discordam, apontando haver um ataque.

Entre outros exemplos dados está a necessidade de contribuição de aposentados que ganhem a partir de dois salários mínimos. Atualmente, só quem é obrigado a contribuir é quem recebe acima do teto, de R$ 5.839. O Governo do Paraná também quer criar idade mínima para os servidores se aposentarem.

Na prática, o indicativo é uma greve "pré-aprovada". Como há uma data de início para a paralisação, os sindicatos esperam que o Governo, nesse meio tempo, se manifeste para negociar. Essa conversa ainda não aconteceu.

Uma assembleia está marcada para decidir o início da greve ou não na manhã de segunda-feira (2), diz Edmilson Silva, presidente da Sesduem. Ele espera que o Governo abra negociação.

Neste ano, a gestão Ratinho Jr já viveu greve nas escolas públicas e nas universidades estaduais. Nas escolas, durou duas semanas, entre junho e julho. Nas instituições de ensino superior, mais de um mês, entre final de junho e começo de agosto.

No caso das universidades, há um desgaste desde a gestão anterior. Servidores têm dito que não tem havido reposição salarial como deveria - além de ataques contra a educação pública.

No fim de semana, a APP Sindicato, que reúne servidores das escolas públicas, aprovou também o indicativo de greve para 2 de dezembro. A decisão dessa entidade tem um peso significativo no estado. É que a APP é considerada o sindicato mais forte e mobilizado no Paraná. Para o bem ou para o mal, quando os filiados paralisam, o impacto é sentido.

Foto: Divulgação/Sesduem

https://gmconline.com.br/noticias/cidade/sesduem-aprova-indicativo-de-greve-para-a-proxima-segunda-feira

Foto: Divulgação/Sinteemar

Agora, a Seção Sindical dos Docentes da Universidade Estadual de Maringá (Sesduem) também deve se reunir para discutir a Reforma da Previdência apresentada pelo Governo do Paraná.

Na assembleia desta sexta, os servidores liados ao Sinteemar foram contra a proposta e disseram que o projeto de reforma estadual é pior do que o aprovado no Congresso Nacional.

De acordo com o presidente da entidade, José Maria Marques, a aprovação do indicativo de greve foi unânime. Isso quer dizer que, se o governo não apresentar nova proposta até 2 de dezembro, a categoria pode deflagrar a greve.

Em nota enviada na terça-feira (19) ao GMC Online, o Governo do Paraná informou que "esta reforma vem sendo discutida há alguns anos. Já houve encaminhamento dela no governo passado, pelo então presidente Michel Temer, ao Congresso que formou uma comissão que debateu a questão publicamente por quase um ano. Já no governo Bolsonaro, uma nova proposta com as mesmas características foi enviada ao Congresso e a reforma previdenciária se tornou o maior debate do ano na casa. Em toda a história previdenciária brasileira as normas federais sempre se aplicaram a estados e municípios. O que o estado do Paraná está fazendo é simplesmente aplicar estas normas, não havendo necessidade de mais debates além do que já houve."

https://gmconline.com.br/noticias/cidade/servidores-da-uem-aprovam-indicativo-de-greve-1

O 20 de novembro é celebrado como o dia da Consciência Negra. A data é atribuída ao dia em que Zumbi dos Palmares teria morrido, em 1695. Zumbi foi um dos principais líderes negros durante a escravidão no Brasil.

É em meio a um dia com essa carga simbólica que a Universidade Estadual de Maringá (UEM) irá votar nesta quarta-feira (20) a aprovação ou não das cotas raciais.

O Conselho de Ensino e Pesquisa (CEP) é quem avalia. São 144 professores, coordenadores de cursos de graduação e pós graduação. Para a proposta ser aprovada é necessário ter maioria simples.

Essa ação afirmativa já foi aprovada numa instância inferior, a Câmara de Graduação, no início deste mês . Houve discussões acaloradas e alteração da proposição original. Após muito debate, o que ficou decidido foi: 20% das vagas do vestibular para negros - grupo composto por pessoas pretas e pardas.

Dentro desse recorte, 15% devem, também, se enquadrar em critérios socioeconômicos como ter renda per capita de um salário mínimo e meio. É essa a proposta que o CEP votará.

Um ato está marcado por movimentos sociais durante a votação, na tarde de desta quarta-feira (20).

No Paraná, a UEM é a única universidade pública sem nenhum tipo de ação afirmativa para pessoas negras. O que a instituição tem é a cota social - que envolve critérios socioeconômicos.

A professora Marivânia Araújo, que faz parte do Núcleo de Estudos Interdisciplinares Afrobrasileiros, considera esse momento histórico: no dia 20 de novembro a UEM pode implementar o sistema de cotas raciais. É muito significativo, diz ela.

Todos os anos entram três mil novos alunos na Universidade Estadual de Maringá. Desse total, 80% são brancos - o restante é composto por negros e indígenas.

Durante a votação no CEP, a proposta vinda da Câmara de Graduação será debatida. Segundo assessoria da universidade, pode haver alteração.

O professor Delton Felipe, do departamento de História da UEM, considera o sistema de cotas raciais como uma forma de buscar a igualdade.

Se for aprovado como está, o sistema de cotas raciais já passa a valer para o próximo vestibular. Daí, do total de vagas, 20% serão para cotas sociais e 20% para as raciais. O restante, para ampla concorrência.

Foto: Divulgação/CBN Maringá

https://gmconline.com.br/noticias/cidade/cotas-raciais-podem-ser-aprovadas-na-uem-no-dia-da-consciencia-negra

Mais Artigos...