Sidebar

16
Ter, Jul

Segundo representantes do movimento grevista, serviços de saúde serão mantidos; alunos ficarão sem aulas a partir desta quarta

Greve foi deagrada em após assembleia com servidores em Maringá (Foto: Reprodução /Redes Sociais)

Em assembleia realizada no Restaurante Universitário (RU), os servidores da Universidade Estadual de Maringá (UEM) aprovaram, nesta quarta-feira (26), o início da greve por tempo indeterminado.

Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino de Maringá (Sinteemar), José Maria Marques, os portões da universidade serão fechados.

“A partir de agora, a Universidade Estadual de Maringá fecha as suas portas até o governo nos atender”, armou ele, explicando quais serão os próximos passos dados pelo sindicato.

“Agora vamos formar o comando de greve, vamos formar as comissões para dar corpo ao movimento. Os servidores da Universidade Estadual de Maringá, por ampla maioria, por mais de 80%, aprovaram o início a greve a partir desta quarta, somando-se ao movimento estadual pela recomposição dos salários. Apenas a inação já está acumulada em 17,4%. O governo do estado tem que dar uma resposta aos servidores. Não pode simplesmente deixar do jeito que está”, completou.

A CBN perguntou por que uma greve em tão pouco tempo de governo e a resposta foi que o governador, quando candidato, disse conhecer a situação financeira do estado e armou que era possível conceder reajuste neste primeiro ano de governo.

Em nota, a assessoria do governador disse que “o Governo do Paraná segue aberto ao diálogo com os sindicatos dos servidores do Estado e aguarda o m da manifestação iniciada nesta terça-feira (25) para a retomada das conversações sobre questões relativas à folha salarial do funcionalismo”.

Vestibular 

A manutenção das provas do Vestibular de Inverno 2019 foi tema discutido durante a reunião desta quarta-feira (26) com o comando da greve. O presidente do Sinteemar, José Maria de Oliveira Marques, e o presidente da Sesduem, Edmilson Aparecido da Silva, adiantaram que, durante o período de paralisação, qualquer atividade a ser realizada nos câmpus da Universidade será submetida para avaliação do comando de greve.

Assim, a Reitoria da universidade informou que encaminhou ofício formalizando o pedido para que as provas do Vestibular de Inverno possam ser aplicadas nos dias 14 e 15 de julho, conforme programado. 

Confira na íntegra a nota emitida pela Reitoria da universidade: 

“A Reitoria da Universidade Estadual de Maringá se solidariza e reconhece a legitimidade das reivindicações dos docentes e agentes universitários que, em Assembleia Geral Unificada, votaram pela deflagração da greve na UEM a partir desta quarta-feira, dia 26 de junho.

Nossa preocupação agora é manter as atividades essenciais em funcionamento, bem como a preservação do direito de ir e vir, assegurando o acesso à Universidade. Nesse sentido, iremos dialogar com o comando do movimento grevista para, juntos, encontrarmos uma solução possível.

A Reitoria da UEM também se dispõe a contribuir, junto com os demais reitores das universidades estaduais paranaenses, na interlocução com o Governo do Estado buscando sempre o diálogo e a negociação quanto à pauta apresentada pelo movimento grevista, cujo ponto principal é a reposição de parte das perdas salariais.

Julio Cesar Damasceno - Reitor

Ricardo Dias Silva - Vice-Reitor”.

https://umuarama.portaldacidade.com/noticias/educacao/apos-assembleia-servidores-da-uem-entram-em-greve-por-tempo-indeterminado-0737

 

O dinossauro paranaense é considerado de pequeno porte, medindo aproximadamente 1,5 metros

O nome foi dado em homenagem à cidade de Cruzeiro do Oeste e também ao estado de origem (Foto: Divulgação)

Foi apresentado nesta quarta-feira (26) na Universidade Estadual de Maringá (UEM) o fóssil do que seria o primeiro dinossauro legitimamente paranaense. O “Vespersaurus Paranaensis” viveu no Paraná há cerca de 90 milhões de anos e não registros dele em nenhum outro local do mundo. O fóssil foi descoberto no Sítio Paleontológico de Cruzeiro do Oeste (a 28 quilômetros de Umuarama).

Segundo o pesquisador do Laboratório de Paleontologia da Universidade de São Paulo (USP), unidade Ribeirão Preto, Max Lunter, foi feita ampla pesquisa para identificar o animal que era bípede e carnívoro. “E tem características únicas e até então desconhecidas. Foi o suficiente para apontarmos como uma espécie nova”, disse em entrevista à Rádio CBN.

O dinossauro paranaense é considerado de pequeno porte, medindo aproximadamente 1,5 metros. “Essa espécie tinha uma característica muito interessante, tinha apenas um único dedo de sustentação na pata. Então, mais ou menos igual aos cavalos de hoje em dia, ele se locomovia no suporte de apenas um dedo. As características do pé são únicas, nenhum animal que se conhece no mundo tem essas essas características, então foi até relativamente fácil definir que era uma espécie nova”, acrescentou o especialista ao site G1.

O nome foi dado em homenagem à cidade de Cruzeiro do Oeste e também ao estado de origem. “Vesper quer dizer Oeste e paranaensis por ser o primeiro dinossauro do Paraná”, concluiu o pesquisador, que teve ao seu lado representantes da UEM e também do Museu de Paleontologia de Cruzeiro do Oeste.

Cruzeiro do Oeste tem cerca de 20 mil habitantes e os primeiros fósseis foram encontrados na região na década de 1970 por agricultores.

Fonte: Tribuna do Paraná

https://umuarama.portaldacidade.com/noticias/regiao/conheca-o-primeiro-dinossauro-paranaense-encontrado-em-cruzeiro-do-oeste-3147

Espécie recebeu o nome de Vespersaurus Paranaensis porque os fósseis foram encontrados em Cruzeiro do Oeste.

Foto: Luciana Peña/CBN Maringá

Cientistas apresentaram hoje em Maringá,  uma descoberta inédita de uma espécie de Dinossauro encontrado no Paraná. Segundo aos estudos, a espécie é única no mundo e o primeiro dinossauro do Paraná.

A espécie recebeu o nome de Vespersaurus Paranaensis, que significa dinossauro do oeste, porque os fósseis foram encontrados no sítio paleontológico de Cruzeiro do Oeste,no noroeste do Paraná.

Ele era bípede e carnívoro, mas pequeno, tinha apenas um metro e meio de altura e fazia parte dos terópodes, que viveram a 90 milhões de anos atrás.

O animal se locomovia com base em apenas um dos dedos do pé, os outros dois eram usados como garras para fisgar e cortar as presas.

Parentes próximos viveram na Argentina e na África, mas este encontrado no Museu Paleontológico de Cruzeiro do Oeste, é único do mundo até momento. Ouça o que diz o paleontólogo Max Langer da USP de Ribeirão Preto, em entrevista à CBN Maringá.  

Fonte: CBN Maringá

https://paranavai.portaldacidade.com/noticias/regiao/cientistas-apresentam-nova-especie-de-dinossauro-4355

 

Detalhes sobre o fóssil de dinossauro inédito encontrado em um sítio paleontológico do município foi divulgado nesta quarta-feira (26)

Cruzeiro do Oeste já se destacou em 2014 quando foram encontrados no município fósseis de pterossauros (Foto:Ilustrativa)

Pesquisadores anunciam nesta quarta-feira (26), em Maringá, detalhes sobre um fóssil de um dinossauro inédito em um sítio paleontológico em Cruzeiro do Oeste, a 28 quilômetros de Umuarama. A descoberta é fruto do trabalho de funcionários do Museu Paleontológico de Cruzeiro do Oeste e de pesquisadores da UEM (Universidade Estadual de Maringá) e da USP (Universidade de São Paulo).

De acordo com a diretora do Museu, Neurides Martins, os estudos, iniciados em 2014, são de grande importância para a ciência mundial, pois trata-se de uma espécie única da família dos dinossauros. “Só podemos adiantar que o dinossauro de Cruzeiro do Oeste é único no mundo e que sua descoberta acrescenta muito sobre a vida na pré-história no nosso planeta”, afirmou à rádio CBN de Maringá.

Com cerca de 21 mil habitantes, a cidade de Cruzeiro do Oeste ficou conhecida em 2014, quando 47 fósseis foram encontrados. À época, o então diretor do Museu Nacional da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Alexander Kellner, liderou a equipe que escavou e encontrou o material fossilizado e chancelou a importância do feito por conta do ineditismo.

A conclusão foi de que tratavam-se de fósseis de antigos habitantes voadores que viveram na Era Mesozoica (entre 225 milhões e 65 milhões de anos atrás): os pterossauros. Batizados de Caiuajara dobruskii, a estimativa é de tenham habitado a região há cerca de 80 milhões de anos. As descobertas repercutiram em veículos de comunicação de relevância internacional, como a BBC (British Broadcasting Corporation).

Entretanto, esta verdadeira “jornada” através do tempo teve início mesmo em 1970, quando o agricultor Alexandre Gustavo Dobruski e o filho, João Gustavo Dobruski, encontraram os fósseis de dinossauros. Ao relatarem o que haviam encontrado, receberam de muitos moradores o desdém, e as suspeitas, tratadas até como motivo de piada, ficaram em silêncio até 2015.

Foi neste ano que a revelação da descoberta de uma nova espécie de lagarto fóssil a partir de uma fragmento de mandíbula de 1,8 centímetro foi publicada na revista científica "Nature Communications". Batizada de Gueragama sulamericana, a descoberta nasceu do trabalho de pesquisadores do Cenpaleo (Centro de Paleontologia), da Universidade do Contestado (SC) em parceria com o Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro e a Universidade de Alberta, no Canadá.

O pterossauros habitaram o planeta no período geológico do Cretáceo e foram os primeiros animais vertebrados a desenvolverem a capacidade de voar com o bater das asas. O primeiro pterossauro foi descrito em 1784 e, até os dias de hoje, mais de 200 espécies com tamanhos que variam de alguns centímetros até 12 metros de envergadura foram catalogadas. No entanto, foi apenas em 2004 que os primeiros três ovos foram encontrados, dois na China e um na Argentina. Em seguida, em 2014, outros cinco foram encontrados no deserto de Hami, também na China.

https://umuarama.portaldacidade.com/noticias/regiao/fossil-de-especie-inedita-de-dinossauro-e-descoberto-em-cruzeiro-do-oeste-0928

Alimentos serão repassados à entidades assistenciais do município

Mais de seis mil estudantes universitários de cursos de Engenharia e Arquitetura de todo o Estado estiveram em Umuarama durante o feriadão de Corpus Christi disputando as Engenharíadas Paranaense. Os uniformes das atléticas participantes foram vistos pela cidade inteira, chamando a atenção dos moradores. Durante o evento, que teve apoio da Secretaria de Esportes, foram disputadas 12 modalidades esportivas, que na soma dos resultados e pontuações, sagraram campeã a Epidemia, atlética da Universidade Estadual de Maringá. A organização da competição é das próprias atléticas participantes.

Esta foi a terceira vez que Umuarama recebeu os jogos. Além de ocuparem a praças esportivas, os jovens movimentaram o comércio da cidade em postos de combustível, farmácias, restaurantes e bares. Os comerciantes comemoraram a presença dos atletas, que ajudaram a aumentar o faturamento. Muitos locais que estariam fechados no feriado decidiram abrir as portas focando na renda extra que esse público trouxe. 

Outro ponto positivo foi a arrecadação de alimentos na entrada dos shows realizados durante as noites do evento. Ao todo, foram arrecadadas 12 toneladas de alimento que serão doados a entidades assistenciais da cidade.

https://umuarama.portaldacidade.com/noticias/cultura/engenhariadas-arrecadam-12-toneladas-de-alimentos-para-entidade-de-umuarama-4019

Mais Artigos...

Página 1 de 2