Sidebar

20
Sex, Set

O curso de Moda da Universidade Estadual de Maringá (UEM), que funciona no Campus Regional de Cianorte, foi destaque no 15º Colóquio de Moda, em sua 12ª edição internacional, realizado entre os dias 01 e 04 de setembro, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Isto porque, o artigo “Estudo e desenvolvimento de acessórios voltados para o vestuário utilizando como matéria-prima o couro de Kombucha”, de autoria das alunas Ana Beatriz Pires da Silva e Carolina Schuch Klein, orientadas pelos professores Fabrício de Souza Fortunato, Luciane do Prado Carneiro e Ronaldo Salvador Vasques, recebeu o prêmio como o melhor trabalho de Iniciação Científica apresentado no GT6 – Design e Processos de Produção em Moda.

“Estamos muito felizes com o título alcançado. É o reconhecimento por um trabalho inovador, realizado com muita dedicação pelo GEMOTEX, que é um grupo de pesquisa da UEM de Cianorte, vinculado ao CNPQ, nas áreas de história, moda e têxteis”, contou o professor Ronaldo, que é o coordenador da iniciativa. O 15º Colóquio de Moda também congregou o 14º Fórum das Escolas de Moda Dorotéia Baduy Pires e teve como evento paralelo o 6º Congresso Brasileiro de Iniciação Científica em Design e Moda. A ocasião é considerada o maior espaço de intercâmbio acadêmico-científico de conhecimentos a respeito do estado da arte, da ciência e da tecnologia desenvolvidas por meio da produção científica nacional e internacional no campo da moda e em suas inter-relações.

Fonte: Assessoria de Comunicação Social da Prefeitura Municipal de Cianorte

http://folhadecianorte.com/artigo-da-uem-de-cianorte-recebe-premio-em-coloquio-internacional-de-moda/

O governador Carlos Massa Ratinho Junior anunciou nesta segunda-feira (26), em reunião com reitores no Palácio Iguaçu, uma suplementação orçamentária de R$ 130 milhões para as sete universidades estaduais do Paraná. Neste primeiro momento, foram destinados R$ 20,8 milhões para pagamento de bolsistas residentes e mais R$ 5,5 milhões para os hospitais universitários.

O valor total, que será repassado em parcelas até o final do ano, é para compensar os 30% dos recursos retidos pela Desvinculação de Receitas de Estados e Municípios (DREM) e também para a folha de pagamento das instituições. A retenção pelo Tesouro do Estado se deu em cumprimento à Emenda Constitucional 93/16. Além de recursos do Tesouro, o valor destinado aos hospitais universitários vem da Secretaria de Estado da Saúde.

“Esta é a primeira parcela dos recursos que repassaremos até dezembro às universidades. Estamos construindo um diálogo permanente com as instituições de ensino superior, com os reitores, para tornar as universidades cada vez mais modernas, com prestação de serviço de qualidade para os estudantes e para a sociedade”, ressaltou o governador.

Além de atender a uma determinação constitucional, a retenção de recursos é uma medida administrativa tomada para controlar os gastos públicos. “Não se pode autorizar as instituições a terem gastos maiores sem saber se lá na frente haverá dinheiro para honrar os compromissos. A retenção é uma medida de controle para que não sejam feitas contas sem ter dinheiro para pagar”, explicou Ratinho Junior.  “A suplementação de recursos que anunciamos agora traz tranquilidade à Secretaria da Fazenda e às universidades, que poderão honrar seus compromissos”, disse.

Com sete universidades em todas as regiões do Estado e quatro hospitais universitários, o Paraná tem a maior rede de ensino superior estadual do País, somando orçamento anual de aproximadamente R$ 2,5 bilhões e cerca de 100 mil alunos.

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

A porcentagem retida pela DREM diz respeito ao que as universidades arrecadam na prestação de serviços, como atendimentos em saúde, cursos de idiomas ou taxas de vestibulares, por exemplo. “Entendemos que as receitas das universidades são utilizadas para a execução das atividades que elas desenvolvem e não configuram como lucro”, explicou o superintende de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Aldo Bona.

De acordo com ele, a retenção da receita, que iniciou no ano passado, fazia com que as unidades tivessem dificuldades para executar os serviços. “Até meados deste ano as instituições vinham mantendo suas atividades remanejando os recursos. Chegamos a uma situação-limite e, coletivamente, construímos essa solução”, afirmou Bona.

“As universidades saem aliviadas, já que conseguimos resolver uma questão que implicava inclusive em uma possível paralisação de serviços. Esse recurso é fundamental para que a oferta de atendimentos”, disse a presidente da Associação Paranaense das Instituições de Ensino Superior Público (Apiesp), Fátima Padoan, que é também reitora da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP).

HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS

O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, explicou que os recursos para os hospitais universitários já estão contratualizados. Em Londrina e Maringá, onde os HUs fazem a gestão plena do sistema municipal perante o SUS, a contratualização é feita com os municípios. Em Ponta Grossa e Cascavel, o contrato é com a Secretaria da Saúde.

“As universidades têm um acúmulo de conhecimento da maior importância para o Estado, e isso é colocado à disposição da sociedade por meio dos hospitais universitários, que ficam em regiões estratégicas do Paraná e precisam atuar para resolver os problemas de saúde da população paranaense”, afirmou o secretário.

LEI DE GESTÃO

Ratinho Junior explicou que o Governo do Estado está construindo de forma conjunta com as instituições de ensino superior a Lei de Eficiência da Gestão Universitária, com foco na modernização das universidades e para garantir o funcionamento nas próximas décadas. “A ideia não é retirar a autonomia, mas poder repensá-las. Nossas universidades são administradas e planejadas no mesmo modelo da década de 1980, temos que pensar os próximos 30 anos”, afirmou.

O governador destacou que, assim como a sociedade não é estática, a área acadêmica também deve ser repensado a todo momento. “O comportamento da sociedade vem mudando conforme as tecnologias avançam, e as universidades precisam acompanhar isso. Estudos dizem que, nas próximas décadas, grande parte das profissões de hoje não existirá mais. Por isso precisamos rever cursos serão ofertados daqui a dez anos”, salientou.

PRESENÇAS

Participaram da solenidade os reitores das universidades estaduais do Paraná (UNESPAR), Antônio Carlos Aleixo; de Londrina (UEL), Sérgio Carlos de Carvalho; de Maringá (UEM), Júlio César Damasceno; de Ponta Grossa (UEPG), Miguel Sanches Neto; do Centro-Oeste (Unicentro), Osmar Ambrósio de Souza; do Oeste do Paraná (Unioeste), Paulo Sérgio Wolf; o chefe da Casa Civil, Guto Silva, e os deputados estaduais Hussein Bakri (líder do governo na Assembleia), Tiago Amaral, Alexandre Amaro, Michele Caputo, Cristina Silvestri, Doutor Batista, Luiz Claudio Romanelli, Galo e Goura.

Fonte: Agência Estadual de Notícias do Paraná

http://folhadecianorte.com/governador-anuncia-r-130-milhoes-para-as-universidades-estaduais/

Encerram na próxima sexta-feira (23) as inscrições para o Mestrado Profissional do Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Políticas Públicas, voltado aos servidores públicos estaduais efetivos. Ofertado pela Secretaria de Estado da Administração e da Previdência, por meio da Escola de Gestão do Paraná, e a Superintendência de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, esta será a quinta turma do curso. Estão sendo ofertadas 30 vagas.

Realizado pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), podem participar do curso servidores públicos efetivos com formação de nível superior em qualquer área do conhecimento. No entanto, as vagas são prioritárias aos ocupantes de cargo de nível superior das carreiras do Poder Executivo do Estado ou militares dos Quadros da Polícia Militar que atuem na gestão, elaboração ou implantação de políticas públicas.

São ofertadas quatro linhas de pesquisa: processos participativos em politicas públicas; políticas públicas e desenvolvimento; políticas de saúde e educação e justiça, segurança pública e cidadania.

A seleção ocorrerá entre 02 de setembro e 22 de outubro. O início das aulas está marcado para 08 de novembro, em Maringá. O curso é totalmente gratuito, devendo o servidor arcar apenas com as despesas de deslocamento e acomodação. Inicialmente as aulas são semanais e depois variam de acordo com as disciplinas optativas.

O edital completo da seleção pode ser consultado AQUI no site da Escola de Gestão do Paraná.

Fonte: Agência Estadual de Notícias do Paraná

https://folhadecianorte.com/mestrado-profissional-para-servidores-recebe-inscricoes-ate-sexta-feira/

Cerca de 700 produtores rurais, da região de Maringá, participaram terça-feira (11) da 3ª edição do Dia do Campo no Centro Técnico de Irrigação, da Universidade Estadual de Maringá.

O evento foi promovido pelo Departamento de Agronomia e pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior em parceria com o Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater).

As atividades tiveram como foco experimentos com hidroponia, compostagem, plantio direto de hortaliças, cultivo de flores comestíveis, tecnologia de aplicação de defensivos, irrigação, cultivo de pepino, cultivo de vagem, doença de tomateiro e produção em vasos.

Toda a produção de alimentos, feita durante o evento, foi doada ao Restaurante Universitário da Universidade, entidades beneficentes e asilos da região. Produtores de mais de 30 regiões participaram do Dia do Campo.

Segundo o professor Ademir Moribe, responsável pela função administrativa no projeto, o evento auxilia os agricultores a compreender as novas tecnologias do campo de uma maneira prática e direta. “As pesquisas desenvolvidas pelos professores, alunos e voluntários são apresentadas às comunidades rurais que aplicam os estudos na prática”.

Desde 2016, o Governo do Estado investiu cerca de R$ 1,5 milhão no Programa de Apoio ao Pequeno Produtor Rural de Horticultura. Com o investimento, foram promovidas três edições do “Dia do Campo” na cidade de Maringá, duas em Umuarama, duas em Santa Isabel do Ivaí, além do Simpósio Sul-Brasileiro de Olericultura.

Foram 400 atendimentos (classificados como clínicas) a produtores locais pelo departamento de Agronomia em cidades como Umuarama, Santa Isabel do Ivaí, Marialva, Cianorte, Rondon, Nova Esperança, Colorado e Maringá.

Para o pesquisador José Usan Torres Brandão, o projeto une ensino, pesquisa, extensão e tem efeitos diretos na renda dos produtores. “O projeto mostra que é possível produzir alimentos de forma econômica e sustentável. Temos condição, apesar das adversidades presentes no solo da região, de mostrar ao produtor a viabilidade e a aplicação dos nossos estudos”.

O Programa forneceu atendimento em clínicas para identificar pragas, fungos e bactérias nas culturas de horticultura e fruticultura e a criação de hortas comunitárias nos municípios de Cianorte, Umuarama, São Tomé e Peabiru. O projeto também resultou em livro que será publicado no mês de outubro com a participação de professores e pesquisadores sobre os principais experimentos realizados pelo projeto. A obra servirá como legado e referência bibliográfica para técnicos e produtores.

O produtor de soja e trigo Cristian Suzuki, da cidade de Marialva, participou pela terceira vez do Dia do Campo e afirma que as experiências profissionalizaram sua produção. “No evento aprendemos a maneira correta e o benefício é direto na produção. Conciliamos a teoria com a prática e os efeitos são imediatos”.

Participaram do evento o diretor-geral da Secretaria, Aroldo Messias Junior; o coordenador-geral da Unidade Gestora Fundo Paraná, Luiz Cezar Kawano; e a coordenadora de projetos, Elenir dos Santos Silva.

HORTICULTURA NO PARANÁ

Visando estimular a olericultura e fomentar a economia na região Noroeste, o grupo de Estudos Avançados em Horticultura da UEM criou, em 2016, o Programa de Apoio ao Pequeno Produtor Rural de Horticultura.

Através do programa, professores, alunos e engenheiros agrônomos desenvolvem pesquisas e analisam pragas, doenças e ameaças às hortaliças, auxiliando os pequenos produtores.

Segundo avaliação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, a produção de hortaliças, se comparada com outras culturas, gera mais lucro por hectare cultivado. Anualmente esse mercado movimenta em todo país R$ 33,3 bilhões, com um volume de produção de 63 milhões de toneladas, em uma área cultivada de 837 mil hectares.

A horticultura também está difundida em todo o Estado do Paraná, ganhando destaque na região Sul com 62% de área plantada; Norte com 28%; Oeste/Sudeste com 8%, e Noroeste com 2%.

O Valor Bruto da Produção de hortaliças representa 4,5% da produção agrícola total do Estado e, ao todo, 212 municípios utilizam a horticultura em escala comercial.

Fonte: Agência Estadual de Notícias do Paraná

https://folhadecianorte.com/dia-de-campo-reune-700-produtores-rurais-na-regiao-de-maringa/