Tools

2019 10 03 International Metting 8410 01

Da esquerda: Luis Mascarenhas (Seti) e Patricio Marinho (Capes), presentes em mesa-redonda

Rumo a ter um programa de internacionalização mais estratégico e abrangente em Ensino, Pesquisa e Extensão, agora a Universidade Estadual de Maringá (UEM) integra o Laboratório de Internacionalização do Conselho Americano de Educação. Esta possibilidade veio por meio de convite da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e da Comissão Fulbright Brasil.

Como primeira atividade, hoje (3) à tarde ocorreu o 1st UEM International Meeting (1º Encontro Internacional da UEM, em tradução livre), no Auditório 13 do Bloco C-34 do câmpus sede. De acordo com Sandra Schiavi, assessora do Escritório de Cooperação Internacional (ECI) da UEM, o objetivo é saber como as esferas federal e estadual veem o processo de internacionalização das universidades brasileiras. “Discutimos quais são os desafios e os caminhos que devemos tomar para fazer uma internacionalização consistente, bem organizada e duradoura”.

O evento começou com palestra de Thaís Cardim, assessora do Campus France Brasil, a agência oficial do governo francês. “Destaquei os programas de mobilidade que já existem, sejam as principais oportunidades dentro da universidade ou fora”. Ainda de acordo com ela, no âmbito acadêmico o Campus France orienta qual é o melhor projeto de estudo internacional, além de prestar informações sobre visto e outros requisitos. E a importância de ter conhecimento em francês vai além de viajar ao país europeu. “É a segunda língua diplomática. E temos uma rede com mais de 850 empresas francesas no Brasil, que emprega mais de 8 mil pessoas”.

 

2019 10 03 International Metting 8313 02

Palestrante Thaís Cardim ressalta que universitário pode fazer parte da graduação ou pós na França

 

2019 10 03 International Metting 8356 003

1st UEM International Meeting é realizado no Bloco C-34

 

Na sequência, Schiavi mediou uma mesa-redonda com Patricio Pereira Marinho, coordenador de Parcerias Estratégias da Capes, e Luis Paulo Mascarenhas, coordenador de Relações Internacionais na Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti) do Paraná. “A internacionalização abrangente é bastante interessante para a Capes porque faz parte de uma de nossas missões: permitir que as produções das universidades sejam difundidas no Brasil e no exterior”, aponta Marinho. Com maior divulgação das pesquisas, elas tendem a ser “de maior impacto positivo na sociedade”.

No Brasil, além da UEM, integram o Laboratório de Internacionalização do Conselho Americano de Educação as universidades federais de Goiás e do Pará. Por a UEM ser a única estadual, o Paraná fica orgulhoso, conforme Mascarenhas. “Como o Paraná é um Estado inovador, as sete universidades estaduais têm em seu DNA essa marca internacional. Por sua localização, o Paraná recebe muitos turistas e nossos professores e alunos têm alto grau de qualidade em pesquisas internacionais”, declara o representante da superintendência geral.

O 1st UEM International Meeting foi organizado pelo ECI e pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da UEM. Transmitido ao vivo, teve em sua mesa de abertura servidores da UEM: Schiavi; Julio César Damasceno, reitor; Ricardo Dias Silva, vice-reitor; Ricardo Cesar Gardiolo, presidente da Câmara de Graduação do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão; e Luiz Fernando Cótica, diretor de pesquisa e coordenador do Núcleo de Inovação Tecnológica.

 

2019 10 03 International Metting 8251 004

Sandra Schiavi: “Ao longo de um ano e meio vamos trabalhar, junto à comunidade acadêmica, para desenvolver um plano de internacionalização”

 

2019 10 03 visita CAPES Internacionalização 7384

Marinho reúne-se com gestores da UEM