Tools

2019 03 19 Engenharia Quimica MG 3624O dados produzidos pelo artefato devem auxiliar nas decisões operacionais dos poços e no desenvolvimento de um modelo para estimar as quantidades de CO2 em diversos fluidos dos reservatórios

Pesquisadores da UEM (Universidade Estadual de Maringá) estão desenvolvendo um equipamento experimental para medidas diretas e modelagem termodinâmica do efeito Joule-Thompson (J-T), relacionado com escoamento de gases puros e misturas simples em tubulações e poços de petróleo.

O projeto é financiado pela Petrobrás, segundo explica o professor do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química e coordenador da pesquisa, Lucio Cardozo Filho. Ele adianta que a literatura científica conhecida até aqui sobre o efeito J-T é insuficiente para determinar um protocolo experimental e teórico consolidado devido às características intrínsecas do fenômeno. Além disso, as tentativas de medidas do efeito J-T de gases e mistura de interesse a Petrobras em laboratórios internacionais mostraram-se insuficientes.

O trabalho dos pesquisadores da UEM está bem adiantado e entrou na fase de testes. Nesta terça-feira, dia 19, o grupo recebeu a visita do químico de petróleo do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da Petrobrás, Francis Assis Meireles, que veio acompanhar os experimentos no laboratório da UEM. Nos próximos meses, diretores da estatal também devem vir na Universidade.

2019 03 19 Engenharia Quimica MG 3632

Na foto acima, da esquerda para a direita, Pablo Hegel, Lúcio Cardozo Filho, Francis Assis Meireles e Paulo Cardozo Carvalho de Araújo, doutorando em Engenharia Química

Cardozo Filho explica que a proposta de trabalho consiste em propor metodologias experimentais e teóricas para quantificar o efeito J-T de gases liberados de fluidos de reservatório para diversas condições de pressão e temperatura da operação das linhas da distribuição de gases.

“O dados produzidos pelo artefato devem auxiliar nas decisões operacionais dos poços e no desenvolvimento de um modelo para estimar as quantidades de CO2 em diversos fluidos dos reservatórios produzidos ao longo do tempo e na avaliação de simuladores disponíveis comercialmente”, esclarece o professor. “Estes dados“, continua Cardozo Filho, “são imprescindíveis para projetos de recuperação secundária por injeção miscível de CO2, bem como para projetos de sequestro e armazenamento de CO2”.

2019 03 19 Engenharia Quimica MG 3587O projeto também conta com a participação do professor Pablo Hegel (foto acima), da Universidad Nacional del Sur. O pesquisador argentino, que possui habilidade e experiência na construção de equipamentos para sistemas pressurizados, está na UEM desde 17 de janeiro, trabalhando no projeto.

Confiante no êxito da construção do primeiro equipamento para medidas do coeficiente J-T para sistemas pressurizados no país, Cardozo Filho diz que o sucesso desse projeto pode contribuir para a “diminuição da nossa enorme dependência tecnológica externa, nem sempre condizente com as nossas expectativas e necessidades, para esses tipos de medidas e equipamentos”.

uem tv