Tools

2017 12 19 HUM Fotos Fim de Ano Ana Paula DSC 0254e

Apesar dos desafios, o empenho e o otimismo da comunidade hospitalar marcou o ano que termina

A equipe do Hospital Universitário Regional de Maringá (HUM) está comemorando a chegada do fim de mais um ano de trabalho e, sob essa perspectiva, a instituição achou importante fazer um balanço dos acontecimentos que marcaram o ano de 2017. Foram conquistas e muitas tentativas de resolver os problemas que uma organização pública de saúde enfrenta no seu dia a dia. Essa luta, no entanto, é que garante o sorriso da comunidade hospitalar. A ideia é que o Hospital possa comemorar as vitórias e se preparar para enfrentar os desafios que virão em 2018 com otimismo e alegria.

Em 2017, foram contratados 32 médicos pelo HUM, em diversas especialidades.  Destes, 17 estão atuando no corpo médico e 15 não assumiram a vaga para a qual se candidataram (9 desistiram após a convocação e 6 pediram exoneração). Além disso, há 20 profissionais que estão aguardando autorização de contratação pelo Governo do Estado (patologia, ortopedia, triador/hemocentro, clínica médica, UTI-adulto, UTI-neo, pediatria, cirurgia pediátrica, infectologia, endoscopia, neurologia, neurocirurgia e cirurgia vascular). Esses processos estão suspensos em função da revogação do Decreto 1521/2015, do Governo do Paraná.

O ano também foi de luta por arrecadação de mais recursos. O total de verbas liberadas para a manutenção das atividades do Hospital Universitário, vindas da Secretaria de Estado da Saúde, por meio do Fundo Estadual de Saúde, cresceu, em relação a 2016. Ano passado, o Hospital recebeu R$ 10.756.464,00. Em 2017, esse total montante chegou a R$ 11.757.913,00. “Portanto, houve um incremento de cerca de 1 milhão de reais [R$ 1.001.449,00]. Parte significativa destes recursos [R$ 3.156.440,00] foi liberada na primeira semana de dezembro. Com isso, o hospital tem a oportunidade de se planejar para o início de 2018”, explicou o superintendente do HUM, Maurício Chaves Júnior.

2017 12 06 Mauricio Cahves Jr 0257

O gestor do Hospital (foto acima) também destacou que um dos grandes desafios do HUM vem sendo encontrar formas para aquisição de equipamentos. Segundo ele, há muito tempo a instituição vem pleiteando a aquisição de um novo tomógrafo. Em 2015, o hospital encaminhou a solicitação de um equipamento à Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti) para viabilizar um projeto junto ao Governo Federal, que não teve o desfecho desejado.

Por meio do Ofício nº 118/16-HUM, datado de 8 de agosto de 2016, mais uma vez, foi feito um pedido para o Governo do Estado. “No início de 2017, por iniciativa da 14ª Promotoria de Justiça da Comarca de Maringá – que tem como foco apoio à saúde pública, foi encaminhada uma solicitação de compra emergencial de um tomógrafo para o HUM, mas o pedido foi indeferido pela justiça. No entanto, o hospital não só continua empreendendo esforços para viabilizar a aquisição de um equipamento novo e mais moderno, como vem suprindo as necessidades da rotina do hospital.  Os pacientes estão sendo submetidos ao exame em outras unidades de saúde de Maringá que possuem serviços de radiodiagnóstico, por meio do setor de agendamento do hospital”, detalhou o superintendente.

No início do mês de outubro deste ano, o HUM efetivou um Termo de Comodato de um conjunto de videoendoscopia, que está instalado no Centro Cirúrgico, para dar o suporte necessário à rotina do hospital. Esse é outro equipamento que a instituição vem reivindicando há tempos. Além dessa cessão em comodato, o HUM conseguiu adquirir outro endoscópio com recursos próprios, que já foi encomendado e deve chegar em breve ao Hospital. “Encaminhamos duas solicitações, em 2015 e 2016, à Seti, que se responsabilizou em viabilizar o projeto junto ao Governo Federal. Porém, paralelo a isso, nos planejamos e conseguimos recursos para o comodato e para comprarmos um equipamento moderno, que atendesse aos nossos pacientes”, comemorou Chaves Júnior.  

O superintendente lembrou, ainda, que em 2017, o hospital também adquiriu com verba própria microcomputadores para diversos setores essenciais da instituição. Além disso, o Governo Federal liberou recursos para a compra de um desfibrilador; dois ventiladores pulmonares; três desfibriladores com marcapasso; 12 leitos hospitalares; e mais oito camas elétricas. Agora, em novembro, a instituição recebeu um aparelho de ultrassom, cedido da Secretaria Estadual de Saúde/Funsaúde, que foi entregue pelo secretário estadual de Saúde, Michele Caputo Neto, ao assessor de Planejamento do HUM, Edson Moribe (foto abaixo).

moribe

Um grande desafio que o HUM enfrenta e vai levar para 2018 é a limitação do seu atendimento às características da sua classificação como instituição de saúde de urgência e emergência, recém publicadas pelo Ministério da Saúde e regulamentadas pelo Governo do Estado.

Segundo o superintendente do HUM, a Portaria nº 1.288/2017, do Ministério da Saúde, aprovou o Plano de Ação da Rede de Atenção às Urgências e Emergências. Esse documento criou uma categorização das instituições que atuam na área que ainda não existia. A partir dos parâmetros propostos pelo Plano, a Comissão Intergestores Bipartite do Paraná deliberou sobre o HUM, considerando-o: Porta de Entrada como Hospital Geral. Com isso, ficou estabelecido que o hospital deve possuir estrutura para realizações de média complexidade. E, na parte de recursos humanos, deve contar com equipe 24 horas composta por clínico geral, pediatra, cirurgião, anestesiologista, enfermeiros, técnicos e equipes para manejo de pacientes críticos. Para dar suporte a estas atividades, a instituição passou a receber um incentivo financeiro adicional de R$ 100 mil mensais.

“A questão é que, muitas vezes, recebemos pacientes que fogem do perfil da classificação que nos foi determinada. Por causa disso, encaminhamos ofícios à Secretaria Municipal de Saúde e à 15º Regional de Saúde, ambos datados do dia 30 de novembro, solicitando que sejam tomadas as providências para adequação das referências da Rede de Urgência e Emergências, o mais breve possível. Isso porque um encaminhamento não adequado causa sérios transtornos para a rotina da instituição e coloca em risco a vida dos pacientes. Uma pessoa pode estar sendo encaminhada para um hospital que não possui a estrutura de atendimento na especialidade médica que ela necessita; isto é, especialidades que não estão previstas no Plano Operativo, que é determinado pelas autoridades de saúde”, explicou o médico.

2010 11 22 HU pacientes corredores2010 

Segundo o superintendente, o HUM está dirigindo seus esforços para atender urgência e emergência de sua área de abrangência de acordo como a sua categorização como Hospital Geral, e a assistência se desenvolverá a partir da demanda encaminhada pela rede de saúde e pelos serviços móveis de urgência, nas especialidades credenciadas no HUM: ginecologia e obstetrícia, pediatria, clínica médica e cirúrgica. Além disso, “o hospital deve manter serviço de Pronto Socorro funcionando de segunda a domingo e feriados 24 horas, com rotina formalmente estabelecida, nas especialidades de traumato-ortopedia, ginecologia e obstetrícia, cirurgia, clínica médica e pediatria. Com isso, será possível aprimorar o atendimento aos pacientes e dar melhores condições de trabalho a toda equipe de profissionais, sem prejudicar o ensino, a pesquisa e a extensão, que também precisam estar presentes numa instituição que é hospital-escola. Em resumo, estamos empenhados para que HUM atenda dentro da capacidade operacional instalada, pertinente às suas responsabilidades que foram determinadas pelas próprias autoridades de saúde”, completou o gestor.

O doutor Maurício ainda aproveitou o balanço para desejar à comunidade hospitalar e à população da região um ano novo de grandes conquistas para todos e, especialmente, para àqueles que são atendidos no ambulatório e no Pronto Atendimento do HUM.